Convergência Digital - Home

Empresa brasileira de PABX na nuvem é comprada por gigante do Vale do Silício

Convergência Digital
Convergência Digital - 16/01/2020

A Wayra, hub de inovação aberta do Grupo Telefónica e uma iniciativa da Vivo no Brasil, iniciou 2020 com um case de sucesso com uma das maiores saídas de uma startup de seu portfólio. A Teravoz, investida desde 2017, anuncia a sua aquisição pela Twilio (TWLO - NYSE), empresa de comunicação na nuvem sediada no Vale do Silício que oferece infraestrutura para gigantes da tecnologia como Uber, Amazon e Netflix.

"A Teravoz foi o tipo de startup que tinha o encaixe perfeito para fazer parte do nosso hub de inovação aberta, principalmente pelas sinergias com os negócios da Vivo", comenta Renato Valente, country manager da Wayra no país. Além de marcar a chegada oficial da Twilio em terras brasileiras, a aquisição da Teravoz representa também mais uma validação importante da qualidade dos empreendedores brasileiros e demonstra o sucesso das estratégias de inovação aberta realizadas por grandes grupos como a Telefônica.

"A saída da Teravoz não só retorna mais de 30 vezes o investimento que a Wayra fez na startup, como também representa novas oportunidades de negócio com a Vivo no Brasil e Telefónica no mundo. É excelente para todos os envolvidos. Toda corporação deveria investir nessa estratégia, funciona e muito bem", analisa Valente.

Durante a temporada em que esteve no hub, a Teravoz melhorou a eficiência do seu acordo de negócios com a Vivo, que oferece a infraestrutura de telecomunicações da startup, além de ganhar novas conexões de mercado, como a com o fundo de investimentos Canary, responsável por parte do aporte de investimentos na iniciativa. A partir daí, a startup decolou no cenário nacional.

"Contar com esse apoio foi muito valioso. Construímos uma equipe incrível, que se dedicou integralmente a ajudar os mais de 500 clientes que atendemos hoje, que trafegam mais de 8,5 milhões de minutos por mês na nossa plataforma", afirma Bigio.

Fundada em 2014 com o objetivo de modernizar a telefonia corporativa, levando os PABXs para a nuvem, a Teravoz se transformou em um dos melhores sistemas de telefonia com gerenciamento via web, podendo ser adaptado para qualquer tamanho de empresa. Ao permitir integrações do sistema de telefone com outros softwares, a startup também facilitou a obtenção de dados e estatísticas dos atendimentos, trazendo mais visibilidade de métricas e indicadores para importantes clientes nacionais, como Nubank, Creditas, QuintoAndar e RockContent.

Com a aquisição pela Twilio, a Teravoz deixa os fundos de investimento com uma grande valorização para todos os seus investidores, inclusive a Wayra, que foi a primeira a apostar na startup. Além do excelente resultado financeiro, a saída da Teravoz também demonstra o sucesso da estratégia de inovação aberta realizada por uma grande corporação. A expectativa é que, neste momento, a Teravoz passe por um período de adaptação para unificação da empresa com a Twilio, passando a atuar localmente sob o nome de Twilio Brasil. O fundador Dov Bigio torna-se o country manager no País.

A Wayra encerrou o ano de 2019 com 36 startups no portfólio do Brasil e irá continuar a conectar inovadores, entre startups e parceiros, com a Telefônica e a Vivo, além de outras corporações do mercado e investidores, para gerar oportunidades de negócios e inovação. As áreas mais buscadas são de Data Analytics/Big Data, Inteligência Artificial, Cibersegurança, IoT, Realidade Virtual e Aumentada, além de fintechs, agtechs e edtechs. Para conhecer todas as empresas do portfólio atual, acesse http://br-pt.wayra.com/startups


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Startup cria time de cientistas de dados para avançar nos negócios

Com sede nos EUA, a Fligoo atua nos segmentos de finanças, educação e saúde, e sabe da relevância de ter profissionais capacitados para lidar com os dados. "Prepare-se o tempo todo. Estude. Não espere a necessidade chegar", aconselha Leandro Ferrado.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Pesquisa da IDC Brasil, realizada para a Oi Soluções, revela ainda que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos.

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site