Clicky

Home - Convergência Digital

Com apps ecológicos, equipes do Brasil vencem concurso da NASA

Convergência Digital - 24/01/2020

Duas equipes de brasileiros ganharam prêmios no concurso da Agência Nacional de Espaço e Aeronáutica dos Estados Unidos (NASA, na sigla em inglês) de desenvolvimento de aplicativos. Um dos times elaborou projeto para contribuir com a limpeza dos oceanos e outro desenvolveu um sistema para identificar vazamentos de óleo nos mares.

A equipe Cafeína, formada por estudantes da Universidade Federal da Bahia (UFBA), venceu a categoria de melhor uso de equipamentos (hardware). O desafio apresentado pela organização do evento envolvia criar uma solução para reduzir o lixo depositados nos mares de todo o planeta. O time foi formado por três estudantes do curso de Administração - Antônio Rocha, Pedro Dantas e Genilson Brito -, por um do curso de Engenharia Química - Ramon de Almeida - e pelo desenvolvedor de sistemas Thiago Barbosa.

Os alunos criaram um protótipo chamado de “OceanRide”. O equipamento coleta microplásticos no oceano, que são comidos por peixes, levando à morte desses animais. O objeto pode ser acoplado a qualquer barco, facilitando sua operação. O aparelho utiliza o princípio de um gerador denominado Van Der Graff, atraindo as partículas a partir de uma corrente eletrostática, funcionando de forma parecida a um imã. A substância coletada é guardada em um contêiner.

Segundo os desenvolvedores do protótipo, ele teria a vantagem de ser utilizado tanto em embarcações que navegam por diversas rotas em todo o mundo quanto em plataformas fixas em pontos estratégicos das correntes marítimas. Do ponto de vista econômico, os autores acreditam que ele seria de exploração comercial viável, uma vez que criaria lucros adicionais para empresas de navegação e permitiria uma iniciativa mais barata de promoção da sustentabilidade nos oceanos, o que pode ser aproveitado por qualquer empresa como um benefício de imagem.
Vazamentos

Já a equipe Massa, formada por desenvolvedores e gestores de startups de São Paulo, conquistou o topo na categoria de aplicações a partir da observação da Terra com objetivo de contribuir com a promoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas. Compuseram o grupo os cientistas de dados Ariel Betti, Ricardo Ramos e Eduardo Ritter, o fundador da startup Skyfix, Felipe Ribeiro Tanso, e a estudante de pós-graduação em arquitetura da informação Joana Ritter.

O grupo criou o sistema apelidado de Poseidon. Ele utiliza imagens de satélite, inteligência artificial e redes neurais para identificar vazamentos de óleo no oceano. Foi utilizada tecnologia do Google para “treinar” a rede neural, evitando equívocos na análise de imagens como a confusão do óleo com outras coisas, como plânctons ou nuvens.

A tecnologia pode ser acessada por governos, empresas, associações civis e organizações internacionais. Os autores decidiram oferecer uma solução motivados pelo episódio do derramamento de óleo que atingiu a costa do Nordeste brasileiro em 2019. O propósito do projeto é permitir que autoridades e interessados possam reagir mais rapidamente em casos como este.
Nasa apps challenge

O desafio da Nasa teve etapas classificatórias em 43 cidades brasileiras. A iniciativa é uma maratona de desenvolvimento de inovações, conhecida no segmento como “hackathons”, voltada a criar soluções para a área espacial. O desafio ocorreu em centenas de cidades em todo o mundo, reunindo cerca de 20 mil pessoas. Além dos eventos presenciais, o site da iniciativa permite a participação remota de pessoas interessadas em acompanhar as tarefas e atividades. A maratona foi composta de diversos desafios, enfrentados por jovens organizados em equipes. Nelas, os participantes utilizam dados coletados pela Nasa em suas missões ao espaço sideral para desenvolver soluções.

Fonte: Agência Brasil

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

23/02/2021
Uber faz piloto de gravação de vídeo em Aracaju

27/01/2021
Índia bane para sempre aplicativos chineses como TikTok e WeChat

22/01/2021
Receita tem novo app que permite MEI pedir restituições pelo celular

11/01/2021
Signal e Telegram disparam no Brasil com repasse de dados do WhatsApp ao Facebook

10/12/2020
Transações virtuais do auxílio emergencial superam saques no app Caixa Tem

02/12/2020
TST começa a julgar disputa entre apps de transportes e motoristas

07/10/2020
Bradesco vai pagar R$ 23,8 milhões ao CADE por bloqueio a fintechs em aplicativo

02/10/2020
EUA recorrem da decisão judicial que suspendeu bloqueio do WeChat

29/09/2020
Instagram passa Facebook Messenger e está em 81% dos celulares no Brasil

22/09/2020
Governo quer economizar R$ 27 milhões com atestado médico pela Internet

Destaques
Destaques

5G será muito mais B2B e vai injetar R$ 13,5 bilhões no mercado nos próximos dois anos

Finalmente o 5G entrou na lista das dez previsões para os mercados de Tecnologia e Informação e Telecomunicações da IDC para 2021/2022. Consultoria prevê que a receita virá de novos negócios com IA, IoT, cloud, segurança, robótica e realidade aumentada e virtual.

5G só começa depois de garantia de recepção nas parabólicas

Pelo cronograma previsto na proposta de edital, oferta do 5G tem início 300 dias depois de formalizada a ‘compra’ das frequências – portanto no segundo semestre de 2022.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site