GOVERNO

BNDES prevê venda do Serpro e da Dataprev para junho de 2021.Telebras fica para julho

Ana Paula Lobo* ... 30/01/2020 ... Convergência Digital

Uma articulação fortalece a política de privatização do governo Bolsonoro. Em evento para investidores, realizado esta semana, em São Paulo, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, apresentou um calendário desenhado pelo BNDES - que será o responsável direto pelas vendas das estatais - com as privatizações previstas até 2022.

Nele está previsto que as privatizações do Serpro e da Dataprev aconteçam em junho de 2021. A Telebras ficaria para julho de 2021. A CEITEC para fevereiro de 2021. Até lá, aconteceriam as rodadas de negociações com os interessados. A estratégia de privatização ganha escala com um episódio político que acirra a disputa entre a Casa Civil e o Ministério da Economia.

Impulsionado pela repercussão negativa do uso de avião da FAB pelo ex-secretário-executivo da Casa Civil, Vicente Santini para acompanhar as viagens do presidente ao Fórum Mundial, em Davos, e a Índia nas férias do ministro Onyx Lorenzoni, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira,30/01, pelas redes sociais, que o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) deixou a Casa Civil e será coordenado pelo Ministério da Economia.

Isso significa que a venda de empresas como Serpro, Dataprev, Telebras, CEITEC e Correios está, agora, sob o crivo direto da equipe do ministro Paulo Guedes e do secretário Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar. 

Das estatais de TICs colocadas à venda, a Dataprev é a única que está tendo uma resistência dos seus servidores, que deflagraram uma greve nacional contra a demissão de quase 500 funcionários e do fechamento de 20 escritórios da estatal no País.

*Com informações de agências de notícias


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Adiamento de tributos do Simples termina em setembro

A partir de outubro voltam os prazos de recolhimento adiados como medida durante a pandemia de Covid-19.

STJ nega envio de 'Caixa de Pandora' para Justiça Eleitoral

Quarta Turma do Supertior Tribunal de Justiça autorizou, no entanto, nova perícia nos vídeos que flagraram, em 2009, empresários de tecnologia da informação pagando propina a integrantes do governo do Distrito Federal. 

MCTI e MCom vão compartilhar orçamento até 2021

Portaria interministerial foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. Até junho de 2021, os recursos serão compartilhados e será criado um Centro de Custos para a divisão dos gastos entre os dois ministérios, até a definição do orçamento de 2021.

TICs ganham fôlego com retirada do pedido de urgência da reforma tributária

Decisão agrada as empresas de software e serviços e ao mercado de telecomunicações. Isso porque a proposta de unificação do PIS e da Cofins, com elevação da alíquota para 12%, seria prejudicial para o setor, que pagaria ainda mais imposto.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G