SEGURANÇA

Brasil precisa fazer mais para ter uma estratégia nacional de segurança cibernética

Ana Paula Lobo ... 06/02/2020 ... Convergência Digital

O Governo reconheceu ao definir, por decreto, nesta quinta-feira, 05/02, a Estratégia Nacional de Segurança da Informação, "que não há, no Brasil, um arcabouço autóctone e abrangente de segurança cibernética que contribua para o fortalecimento da resiliência cibernética nacional e que  os códigos, as normas, os padrões e as orientações em vigor evoluíram com o desenvolvimento de projetos, de ferramentas e de práticas relacionadas à segurança cibernética, mas não foram absorvidos de modo adequado pelas entidades públicas e privadas". A e-Ciber, publicada pelo Governo, tem como objetivo suprir essa lacuna.

Também definiu- depois de avaliar as sugestões enviadas para a consulta pública, realizada em setembro no ano passado, e que recebeu 166 contribuições de pessoas físicas e jurídicas - que para fortalecer as ações de governança em segurança cibernética no setor público e privado é preciso, entre outras, ações, intensificar o combate à pirataria; adotar soluções nacionais de criptografia e designar o gestor de segurança da informação e ampliar o uso da certificação digital, entre outras medidas para fomentar programas e projetos de governança cibernética.

Também há a recomendação formal para o Brasil - que não fechou acordos relevantes em segurança da Informação como a Convenção de Budapeste -  para, agora, ampliar a cooperação  "com o maior número possível de países, de forma transparente, e reforçar a posição do País na constante busca pela paz e pela segurança internacional, conforme a tradição da diplomacia nacional baseada nos princípios estabelecidos no art. 4º da Constituição."

O governo assume ao apresentar a Estratégia Nacional de Segurança da Informação que é preciso adotar ações para garantir uma segurança cibernética nacional e enumera quais são:

- não há, no Brasil, um arcabouço autóctone e abrangente de segurança cibernética que contribua para o fortalecimento da resiliência cibernética nacional;

- os códigos, as normas, os padrões e as orientações em vigor evoluíram com o desenvolvimento de projetos, de ferramentas e de práticas relacionadas à segurança cibernética, mas não foram absorvidos de modo adequado pelas entidades públicas e privadas;


- aumentar a articulação entre os representantes das infraestruturas críticas;

- é importante estabelecer modelos que permitam compreender o risco cibernético para a prestação de serviços e avaliar o custo de uma ocorrência; e

- é necessário incentivar essas organizações críticas a criarem uma cultura de segurança cibernética.

Desse modo, sustenta ainda o Governo, por meio do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República,"proteger o espaço cibernético requer visão atenta e liderança para gerenciar mudanças contínuas, políticas, tecnológicas, educacionais, legais e internacionais. Nesse sentido, o Governo, a indústria, a academia e a sociedade em geral devem incentivar a inovação tecnológica e a adoção de tecnologias de ponta, e manter constante atenção à segurança nacional, à economia e à livre expressão."

O Governo apresenta ainda dados sobre o momento da Segurança da Informação brasileira no cenário global

- O Brasil ocupa o 66º lugar no ranking da Organização das Nações Unidas - ONU de tecnologia da informação e comunicação;

- Apenas 11% dos órgãos federais têm bom nível em governança de TI2;

- O Brasil ocupa o 70º lugar no Global Security Index, da UIT3;

- 74,9% dos domicílios (116 milhões de pessoas) com acesso à internet4;

- 98% das empresas utilizam a internet5;

- 100% dos órgãos federais e estaduais utilizam a internet6;

- Em 2017, foram setenta milhões e quatrocentas mil vítimas de crimes cibernéticos7;

- Em 2018, 89% dos executivos foram vítimas de fraudes cibernéticas8;

- As questões de segurança desestimulam o comércio eletrônico9;

- Em 2017, os crimes cibernéticos resultaram em US$ 22.500.000.000,00 (vinte e dois bilhões e quinhentos milhões de dólares) de prejuízo10; e

- O Brasil é o 2º com maior prejuízo com ataques cibernéticos.

A íntegra da Estratégia Nacional de Segurança da Informação está dispónivel neste link.


Consciência é a maior vacina contra os riscos cibernéticos

Em tempos de home office por conta do coronavírus, o gerente de segurança do CAIS/RNP, Edilson Lima, diz que cabe ao usuário redobrar seu cuidado. "Cada um tem de fazer sua parte", afirma.

Cibercrime usa Coronavírus para roubar dados pessoais no WhatsApp

Golpe oferece suposto kit gratuito com máscara e álcool gel - a ser dado pelo Governo Federal - para atrair as pessoas mais nervosas em relação à pandemia.

RNP terá programa para formar profissionais em Segurança Cibernética

O diretor da área na Rede Nacional de Pesquisa, Emilio Nakamura, assegura que a intenção é 'acelerar a formação de novos profissionais não apenas na Academia, mas também na inovação aberta'.

GSI: Educar o cidadão é o pilar da estratégia de segurança cibernética

Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República troca de marca - sai o cadeado e entra uma chave - para mostrar ao brasileiro que ações próativas são essenciais. "Não podemos atuar apenas como bombeiros nos ataques cibernéticos", afirma Ulisses Peixoto.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G