INCLUSÃO DIGITAL

Internet Segura: falta de civilidade digital só faz aumentar no Brasil

Convergência Digital* ... 11/02/2020 ... Convergência Digital

Nesta terça-feira, 11 de fevereiro se comemora o Dia da Internet Segura (SID) e uma pesquisa da Microsoft traz um triste dado à sociedade global e, em especial, para a brasileira. O Índice global de Cidadania Digital (DCI) da Microsoft, um meio de medir o tom das interações online, está em 70%, a maior classificação de falta de civilidade desde o início da pesquisa em 2016. Tendências como dor emocional e psicológica, e consequências negativas decorrentes da exposição a riscos online também aumentaram significativamente. Quanto menor a classificação do índice (numa escala de 0 a 100), menor a exposição de risco das pessoas pesquisadas e maior o nível percebido de cidadania entre as pessoas naquele país.

O DCI é baseado em uma pesquisa concluída em maio do ano passado para avaliar as atitudes e percepções de adolescentes (13 a 17 anos) e adultos (18 a 74 anos) em 25 países[1][1] sobre o atual estado da cidadania digital. Ela realizou perguntas como, "quais riscos online você e seu círculo de pessoas próximas já vivenciaram, quando e com que frequência tais riscos ocorreram, e quais consequências e ações foram tomadas?" — e mediu a exposição vitalícia dos entrevistados a 21 riscos em quatro áreas: comportamental, reputacional, sexual e pessoal/intrusiva. Em escala global, o DCI revelou que a exposição a riscos online aumentou significativamente, principalmente nas seguintes 5 áreas:  1) contato indesejado, 2) farsas/fraudes/golpes, 3) sexting indesejado, 4) tratamento maldoso e 5) trollagens.

O Reino Unido está no topo do Índice de Cidadania Digital durante três dos últimos quatro anos. No entanto, o país teve um aumento da incivilidade online (52%), percentual superior ao seu maior pico de 45% em 2016. A Holanda estreou em segundo lugar, com 56%, seguida da Alemanha (58%), Malásia (59%) e os Estados Unidos (60%). Os países com os menores níveis de civilidade digital foram Colômbia (80%), Peru (81%) e África do Sul (83%), marcando a primeira vez que países atingem uma marca superior a 80%. O índice brasileiro foi de 72%, menor que Argentina (76%), Chile (75%) e México (75%).

Segundo 31% dos entrevistados, a aparência física e a política são os principais motivos para a falta de civilidade online, seguidas de orientação sexual (30%), religião (26%) e raça (25%). Em termos do local onde esse comportamento ocorre, dois terços (66%) afirmaram que as redes sociais são o fórum mais frequente para a falta de civilidade online.

REALIDADE DOS BRASILEIROS NA INTERNET

O Brasil teve um aumento de dois pontos desde o ano passado e atingiu, agora, um DCI de 72%, sendo classificado como 15º dentre os 25 países pesquisados. Vale lembrar que esse aumento, de acordo com a metodologia do índice, representa uma piora na civilidade digital no país.

O estudo, que entrevistou 502 brasileiros, com idades entre 13 e 74 anos, mostra que os principais riscos são contatos indesejáveis (42%), sexting indesejado (26%), farsas/fraudes/golpes (24%), assédio moral (24%) e assédio sexual (22%). Entre os temas que mais geraram conflitos na internet, estão: política (53%), orientação sexual (34%), religião (33%), aparência física (30%) e raça (29%).

A relação com a internet entre os brasileiros revelou que os millennials (82%) compõem o maior grupo de risco entre os adultos. Dentre os jovens, 71% deles já vivenciaram um risco online, sendo que 78% sofreram com as consequências por conta dos riscos aos quais foram expostos. No entanto, apenas 48% deles pediram ajuda para os pais, e outros 63% afirmaram saber onde encontrar ajuda. Quanto à expectativa de mudança, 69% dos entrevistados acreditam que empresas de tecnologia e social media criarão ferramentas e políticas que encorajarão um comportamento online mais respeitável e civil.

"O universo digital representa uma enorme oportunidade de melhorarmos nossa comunicação, colaborarmos mais e sermos mais produtivos, mas sabemos que nem sempre isso vem acompanhado de civilidade. Nesse Dia da Internet Segura, queremos chamar a atenção para a importância desse tema, ajudando a criar uma cultura digital melhor, promovendo uma comunidade online mais ampla e inclusiva”, afirma Nycholas Szucko Antunes, diretor de cibersegurança da Microsoft Brasil.

PRINCÍPIOS DA CIDADANIA DIGITAL

Como parte dos esforços para melhorar a experiência online para pessoas, empresas e governos, a Microsoft compartilhou os quatro princípios do Desafio da Cidadania Digital, que promovem interações seguras, saudáveis e respeitosas na internet. Todos podem se comprometer com o desafio adotando hábitos e práticas positivas ao longo do ano:

- Viva a Regra de Ouro agindo com empatia, compaixão e bondade em todas as interações, e trate todos com quem você se conecta online com dignidade e respeito.
- Respeite as diferenças, honre perspectivas diversas e quando as discordâncias surgirem, envolvam-se cuidadosamente e evitem xingamentos e ataques pessoais.
- Reflita antes de responder a coisas que você discorda, e não poste ou envie algo que possa machucar outra pessoa, danificar uma reputação ou ameaçar a segurança de alguém.
- Defenda você mesmo e os outros apoiando aqueles que são alvos de abuso ou crueldade, relatando atividades agressivas e guardando evidências de comportamento inadequado ou inseguro.

O Dia da Internet Segura é um dia internacional para promover o uso mais seguro e responsável da tecnologia, especialmente entre crianças e jovens. A Microsoft está desafiando pessoas de todo o mundo para adotarem a "cidadania digital" e tratarem umas às outras com respeito e dignidade quando online.

Fonte: Microsoft


Provedores Internet superam teles e massificam banda larga fixa no País

Os PPPs encerraram 2019 com 9.881.911 de acessos, à frente da Claro com 9.578.629, da Vivo (7.024.007) e da Oi (5.255.766).

Saldo de R$ 1,2 bilhão vai para transmissores em cidades pequenas e banda larga na Amazônia

Divisão dos recursos já é considerada como questão pacificada entre  as operadoras móveis e as emissoras de TV. 

Mais da metade das mulheres no mundo está sem acesso à Internet

União Internacional de Telecomunicações adverte que o sexo feminino é o mais afetado pela desigualdade no acesso à banda larga, em especial, nos países em desenvolvimento.

Huawei: nação digital é o último estágio da transformação digital

Conceito ainda é muito novo, mas engloba o uso e a análise dos dados para retroalimentar produtos e processos, conta o diretor de Comunicação e Relações com o Governo da Huawei Brasil, Juelinton Silveira.

Audima cria ferramenta para levar conteúdo aos analfabetos digitais

A partir da própria dor, uma vez que tem dislexia, Paula Pedrosa criou a Audima, uma startup que transforma palavras em áudios. "O império da visão exclui muita gente. Nosso desafio, hoje, é mostrar que inclusão monetiza", observa a executiva.

Domicílios com Internet chegam a 67% no Brasil, mas desigualdade permanece

TIC Domicílios 2018, do CGI.br, revela que as classes D e E elegeram o smartphone como o meio preferencial de acesso.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G