Clicky

Teles prometem códigos de conduta para convencer Anatel a reduzir normas

Luís Osvaldo Grossmann ... 11/03/2020 ... Convergência Digital

As principais operadoras do país lançaram nesta quarta, 11/3, o que batizaram de Sistema de Autorregulação das Telecomunicações – uma organização inspirada em modelo do sistema financeiro para discussão e adoção de códigos de conduta sobre os temas de maior conflito com os consumidores. O objetivo é convencer a Anatel a reduzir obrigações na expectativa de que regras auto aplicadas superem os principais focos de problemas nas relações com clientes. 

“A autorregulação serve para resolver problemas com iniciativa própria, sem depender de determinações do regulador, da Justiça ou do Congresso, que ajuda a ser mais eficiente, até porque permite participar de forma mais ativa. Temos um foco grande em resolver problemas dos consumidores de  forma menos onerosa, com menos custo regulatório e também trazendo maior eficiência para a regulação”, afirmou o diretor de regulação e autorregulação do Sinditelebrasil, José Alexandre Bicalho. 

Não por acaso, as primeiras metas do SART são três códigos de conduta sobre temas de especial demanda dos consumidores: atendimento, cobrança e ofertas, para os quais a promessa é de normativos aprovados em até dois, três e quatro meses, respectivamente. 

O lançamento do Sistema coincide com a discussão de um novo Regulamento Geral de Direitos do Consumidor pelo Conselho Diretor da Anatel. O objetivo implícito é convencer a agência a substituir pelo menos parte do que está sendo proposto nesse novo normativo pelos códigos de conduta a serem construídos no SART – especialmente no que trata da regulação das ofertas, uma das principais novidades do novo RGC. 

“Isso vai depender do que sair desse cronograma apresentado e quais serão as propostas. Ainda que possamos elogiar a iniciativa, precisaremos ver o resultado dela. É um cronograma factível, porque são quatro meses, e vamos avaliar se está de acordo, se é suficiente a ser aceito pela agência. Como o novo regulamento ainda vai passar por uma consulta pública, há tempo para avaliarmos o resultado”, apontou o conselheiro Emmanoel Campelo, relator do novo RGC. 

Uma das questões das teles é que a Anatel está propondo nesse RGC, por exemplo, proibir as operadoras de alterarem planos antes do aniversário dos contratos – o que hoje é possível a qualquer tempo desde que os consumidores sejam informados com 30 dias de antecedência. Como insistiu o presidente da Anatel, trocar normas por códigos de conduta auto impostos depende da qualidade do que virá. “Propor a autorregulacao é também compreender que a própria credibilidade do setor passa a ser atrelada à efetividade dos instrumentos que serão adotados”, afirmou Leonardo Morais. 

Baseado em sistema criado pela Federação Brasileira dos Bancos (Febraban), o SART é constituído no topo por um Conselho das prestadoras signatárias – inicialmente Vivo, Claro, Tim, Oi, Algar, Sky e Sercomtel, mas aberto “a todas as prestadoras que aderirem”. Como “órgão executivo”, haverá um Conselho de Autorregulação, ao qual aprovar os normativos, composto por 15 integrantes: sete representantes das operadoras signatárias, três de pequenas prestadoras de telecom e cinco independentes. 

Desses últimos, quatro já foram indicados: o professor e ex diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor Ricardo Morishita Wada, o advogado e ex coordenador do Departamento Nacional de Proteção do Consumidor Vitor Morais de Andrade, o ex conselheiro da Anatel José Leite Pereira Filho e a ex procuradora do MPDFT, Suzana Vidal de Toledo Barros.


Internet Móvel 3G 4G
Ericsson registra patente brasileira para o 5G

Desesnvolvida pelos pesquisadores Silvia Lins, Pedro Henrique Gomes e Ricardo Souza, do time de pesquisa, desenvolvimento e inovação da fabricante, a solução usa inteligência artificial para permitir o fatiamento de rede e evitar o congestionamento no tráfego dos dados.

Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Veja mais matérias deste especial

Por casa conectada, Vivo negocia opção de ser acionista minoritária na CDF

A CDF é um marketplace de solulções de assistência residencial e tecnológica e que já é parceira na oferta do Vivo Guru. Os novos serviços serão lançados em breve, mas um deles será voltado para a instalação e  configuração de dispositivos inteligentes.

Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

“Existe uma portaria, mas os requisitos ainda não estão completamente claros”, afirma o diretor de cibersegurança da fabricante chinesa, Marcelo Motta.

Oi entra na briga pela fibra ótica em São Paulo

Companhia diz que os pilotos comercial e de rede estão acontecendo e o lançamento ao mercado será no segundo trimestre (abril a junho) para os mercados B2C e B2B. A Oi vai usar 5,2 mil Km de rede própria oriundas da compra da MetroRed e da Pegasus no passado.

Brasileiro retorna ao pré-pago e sonha com superaplicativo

O brasileiro diz que o pré-pago oferece maior flexibilidade de uso, de acordo com pesquisa global feita pela Ding. O estudo também mostra que os brasileiros querem um superaplicativo que combine mensagens instantâneas com mídia social, varejo e serviços.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G