Convergência Digital - Home

Piemonte Holding vai comprar os cinco data centers da Oi

Convergência Digital
Ana Paula Lobo* - 17/06/2020

Ao mesmo tempo que divulgava o aditamento ao plano de recuperação judicial e oficializava a intenção de venda dos data centers, a Oi anunciou na noite da última segunda-feira (15), após o horário de fechamento da bolsa de Nova York, ter aceito uma proposta vinculante da Piemonte Holding para a compra dOS cinco data centers da companhia.

Executada por meio do veículo de private equity da Piemonte Holding, instituição financeira do Rio de Janeiro focada em investment banking e inovação digital, a transação passará agora pelo crivo da assembleia geral de credores e por um leilão judicial, e seu fechamento depende, dentre outras condições costumeiras a operações: 

(a) da homologação judicial do Aditamento ao Plano de Recuperação Judicial do Grupo Oi;

(b) da efetiva realização e conclusão do leilão judicial e

(c) da homologação do resultado do leilão judicial declarando o veículo de private equity da Piemonte como vencedor.

Assessorado pelo Bank of America, o Grupo Oi segregará os ativos-objetos da operação em uma UPI (Unidade Produtiva Isolada), que incluirá ativos operacionais da Oi S.A. - EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL, da Oi Móvel S.A. - EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL, da TELEMAR NORTE LESTE S.A. - EM RECUPERAÇÃO JUDICIAL e da Brasil Telecom Comunicação Multimídia S.A.. A estrutura de UPI garante maior proteção aos veículos de investimento da Piemonte Holding contra potenciais riscos da recuperação judicial do Grupo Oi.

A aquisição, se concretizada, será um aporte de grande importância para a holding de data centers da Piemonte Holding, Elea Digital, que já possui investimento em um dos maiores data center do Brasil, a GBT S.A., em Brasília, inteiramente dedicado a serviços financeiros e que tem a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil como clientes.

Os cinco novos data centers que poderão passar a fazer parte do conglomerado da Elea Digital estão localizados em Curitiba, Porto Alegre, São Paulo e Brasília, com duas unidades. Se implementadas as condições mencionadas, a conclusão da transação deve acontecer nos próximos meses, e tornará a Elea Digital uma holding com ativo total de mais de 1 bilhão de reais. Para Alessandro Lombardi, CEO da Piemonte Holding e gestor de investimentos do grupo, a potencial compra dos novos centros de processamentos de dados vai confirmar a formação de uma empresa líder em data centers no Brasil.

"Vamos triplicar nossa presença em Brasília e começar a atuar em São Paulo, Curitiba e Porto Alegre, além de também estarmos com outros investimentos em curso em Fortaleza, no Ceará. Nosso projeto de criação de uma federação líder em data centers no país está cada vez mais forte. A solidez da holding vem de uma estratégia dedicada a infraestrutura digital, segurança e a gestão cautelosa do cash flow relevante que estes ativos podem gerar", afirmou Alessandro, cuja holding financeira teve um lucro líquido de aproximadamente R$ 50 milhões em 2019.

Já o diretor de investment banking da Piemonte Holding, Vinícius Braga, explica a estratégia do veículo de private equity que norteou a transação com Oi: "Estamos posicionados no cenário pós-coronavírus com uma série de ativos de infraestrutura digital, buscando investir em eficiência energética, digitalização do setor público e presença regional. Temos muitos investimentos planejados para o Brasil, principalmente no Nordeste, e em negociação com investidores complementares, que atuam em cabos submarinos e torres de transmissão. Além disso, também vamos começar a investir na tecnologia 5G", concluiu Vinícius.

Para a negociação de compra dos data centers da Oi, a Piemonte foi assessorada pela firma de advocacia Pinheiro Neto; pelo advisor financeiro Duff & Phelps; pela Concremat, no que se refere a assuntos operacionais; e contou ainda com a assessoria de Antonio Toro, um dos maiores experts neste tipo de transações no Brasil.

*Com informações da Assessoria de Imprensa da Piemont Holding
   


LEIA TAMBÉM:
Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

CSU avança de empresa de BPO para uma companhia de tecnologia

Com diferentes atividades, entre elas, processamento de transações eletrônicas de meios de pagamento e serviços de relacionamento com clientes, a CSU contratou o NICE Nexidia para melhorar os resultados dos negócios com uma abordagem consultiva e analítica.

Cientista de dados: seja investigativo, analítico e curioso

Não há um perfil delimitado para o cientista de dados, o que significa que ele pode ser um 'profissional mais rodado e experiente' ou uim jovem recém-saído das universidades. Mas há um ponto essencial: a multidisciplinaridade, aponta o professor e especialista em ciência de dados do Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação (IGTI), João Carlos Barbosa.

Destaques
Destaques

Fleury cria empresa baseada em ciência de dados e inteligência artificial

Saúde ID funcionará como um marketplace de serviços ligados à saúde e recebeu investimentos de R$ 50 milhões. O paciente terá todas suas informações de saúde integradas em uma única plataforma, que poderá oferecer às empresas e operadoras um serviço com algoritítimos preditivos.

No Brasil, empresas 'confiam, desconfiando' das multiclouds

Estudo, feito pela F5 com vários países da América Latina, mostra que as organizações têm menos confiança na capacidade da nuvem pública resistir a um ataque hacker voltada às aplicações. Escolha da nuvem é feita aplicação por aplicação.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site