Home - Convergência Digital

Gestor de Tecnologia foi repaginado pela Covid-19

Ana Paula Lobo - 19/06/2020

A pandemia de Covid-19 obrigou mudanças drásticas na forma de trabalhar e o gestor de tecnologia - CIO, Chief Compliance Officer e, especialmente, o Chief Transformation Office, que está à frente da digitalização - ganharam uma relevância no comando da cadeia dos negócios, afirma o consultor da Russell Reynolds Associates e professor do curso de pós-graduação na Escola Politécnica /USP, Márcio Gadaleta, em entrevista ao Convergência Digital.

Segundo ele, as empresas tiveram de ser muito rápidas para enfrentar a crise. "Era transformar ou morrer. A tecnologia virou sobrevivência. Tinha de funcionar", diz Gadaleta. Quem também apareceu foram os chief Security Officers, ou os diretores de Segurança da Informação e os Chief Suply Chain Officers, responsáveis pela Logística.

"O suply chain foi o mais atingido pela pandemia. Quem soube desembaraçar os problemas, se destacou", pontuou o especialista. Em segurança, a migração do escritório para o home office abriu brechas para ataques hackers e montar a estratégia alternativa foi dever de casa. É fato que nas empresas mais avançadas na digitalização, a ida para o home office foi menos dolorosa. Mas para outras, a transição foi cruel e há muitas corporações indo ao mercado para contratar novos líderes.

"A crise mostrou que é preciso executivos que consigam lidar com a adversidade. Quem planeja muito, tem muita dificuldade para se virar numa situação de exceção", lembra Gadaleta. Um ponto essencial nessa repaginação do gestor de tecnologia foi a empatia. "Não dava para pensar só na empresa. Pensar no funcionário foi obrigação. O confinamento é uma situação fora da curva. O executivo teve que tomar decisões rápidas pensando no presente, sem perder o olhar do futuro", completa.



Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

01/03/2021
Aeroporto de Brasília automatiza medição de temperatura no combate à Covid-19

09/02/2021
Covid-19 não acaba e negócios digitais de curto prazo dominam os gastos de TI

09/02/2021
Trabalhador que recusar vacina pode ser demitido por justa causa

04/02/2021
Covid-19 impõe mais investimentos em TI nas empresas brasileiras em 2021

27/01/2021
Justiça manda Facebook remover críticas ao uso de máscaras contra a Covid-19

11/01/2021
Menos de 30% das empresas admitem ter tecnologia para dar suporte ao trabalho remoto

11/01/2021
Trabalhadores têm estabilidade pelos meses que ficaram afastados por Lei da Covid-19

11/12/2020
MPT decide que Covid-19 é doença de trabalho

10/12/2020
Transações virtuais do auxílio emergencial superam saques no app Caixa Tem

03/12/2020
IBM alerta sobre ataques hacker na cadeia de distribuição de vacinas para Covid-19

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Muito além do modismo. Muito prazer, Python!

Por Guilherme Lima*

Além de aumentar a produtividade do desenvolvedor, muitas vezes, a linguagem Python vai além de linguagens compiladas ou estaticamente tipadas, como C, C ++ e Java. É importante lembrar que o código Python tem, normalmente, de um terço a um quinto do tamanho do código C ++ ou Java, por exemplo. Isso significa que há menos para digitar, depurar e menos para manter após o fato.

Destaques
Destaques

Trabalhador que recusar vacina pode ser demitido por justa causa

Orientação é do Ministério Público do Trabalho.“Todos temos amigos e parentes que recebem diariamente fake news sobre vacinas. O primeiro papel do empregador é trabalhar com informação para os empregados”, diz o procurador-geral do MPT, Alberto Balazeiro.

Na liderança, curiosidade insana e coragem impactam mais que a competência

Vice-presidente para setor público na AWS, Teresa Carlson, e Indra Nooyi, membro do board da Amazon e ex-CEO e chairman da PepsiCo, admitiram que a Covid-19 tem provocado crises existenciais em muitas pessoas e que, há, sim, um forte e um injusto desequilíbrio para as mulheres.

Média salarial de profissional de TI no Brasil ficou em R$ 4.849,00

Pesquisa nacional, realizada pela Assespro-Paraná e pela UFPR, mostra a desigualdade econômica do país. No Nordeste, em Sergipe, a média salarial é de apenas R$ 1.943.00. Em São Paulo, essa média sobe para R$ 6.061,00. Outro ponto preocupante: a diferença salarial entre homens e mulheres segue acima de dois dígitos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site