Convergência Digital - Home

Metade das empresas no Brasil não confia na própria análise dos dados

Convergência Digital
Convergência Digital* - 23/06/2020

Um alto nível de imprecisão e dificuldade no entendimento dos dados mostram que 50% das empresas brasileiras afirmam nao confiar na própria análise de dados.De acordo com a Pesquisa Global de Gestão de Dados da Experian, outro problema apontado pelos mais de mil profissionais entrevistados no Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França e Austrália é a perda de recursos e gastos adicionais gerados pela má qualidade nas informações – 42% localmente e 41% na média global.

Estes custos associados a má governança nas companhias são um desafio para 78% dos negócios, com 28% dizendo que este é um problema significativo. O Brasil fica acima da média global, com 87% afirmando ser um problema. Esse gasto é gerado por conta das más práticas, o que gera insegurança. A pesquisa indica que duas em cada cinco organizações dizem que os funcionários não estão convictos de que os insights gerados são eficazes.

Segundo o Gerente Soluções de Marketing Services da Serasa Experian, Thomas King, “Dados precisos e confiáveis permitem um aumento na vantagem competitiva, refletindo na oferta de uma melhor experiência para o cliente, melhores tomadas de decisões, mais inovação e práticas comerciais eficientes. Na última década, esta frente ajudou os negócios a prosperarem, mas ainda vemos organizações que não possuem habilidades e os recursos necessários para aproveitar ao máximo os dados que possuem. Uma boa saída para empresas que enfrentam dificuldades para se estruturarem é buscar parceiros e fornecedores que tenham expertise em transformar interpretação de dados em ações práticas”, orienta King.

Apesar do aumento da consciência e das ações a serem tomadas, muitas companhias ainda não traduziram isso nos resultados esperados e veem as informações insuficientes e imprecisas influenciando negativamente as iniciativas: 76% delas afirmam não ter uma estratégia em andamento para endereçar os problemas com os custos, ainda que 64% afirmem que planejam fazer isso rapidamente. O relatório descobriu que 90% das empresas nacionais ainda lutam para incorporar insights significativos em seus processos, colocando os dados à disposição de mais pessoas, enquanto a média global é de 77%.

Thomas diz que “para direcionar o desafio, os negócios devem investir em qualidade dos dados usando uma abordagem transversal entre os funcionários, que evite o acúmulo de informações em um só grupo. Sem padrões de qualidade, checagem e processos para gerenciar como estes insumos são capturados, mantidos e alavancados, os custos continuarão a crescer”.

Ter conhecimento em dados será fundamental nos próximos cinco anos

De acordo com a pesquisa, os profissionais precisam melhorar suas capacidades de ler, trabalhar e analisar os dados, algo que será fundamental nos próximos cinco anos para 84% dos negócios em todo o mundo. No Brasil, este número chega a 90% - o mais alto entre os entrevistados – veja abaixo.

A grande maioria das companhias globalmente (85%) diz que os dados são um dos ativos mais valiosos que possuem e 36% dizem que o conhecimento para extrair o máximo deles é crucial para inovar e preservar o futuro da empresa. Para direcionar esse tema, 30% das empresas têm programas em andamento para capacitar os funcionários e 36% dizem que estão planejando estabelecer algo do tipo no próximo ano.

“Apesar de enfrentar algumas dificuldades, já observamos que as organizações começam a desenvolver melhores práticas para qualificar as informações e incrementar a performance, como treinar funcionários e criar posições estratégicas”, completa o executivo da Serasa Experian.  Para ver o relatório completo, acesse: https://www.serasaexperian.com.br/blog/pesquisa-gestao-dados-2020


ARTIGO . Por Melissa Torgbi

Cientista de dados: seja curioso, se envolva e tenha muita disposição para resolver problemas

Há muita empolgação acerca do termo “ciência de dados” atualmente. Para nós que queremos ser cientistas de dados, há alguns requisitos. Um deles: ter muita, mas muita vontade de aprender o tempo todo.

Destaques
Destaques

Empresas ambicionam mais Inteligência Artificial, mas sofrem com falta de talento

Um apesquisa global da Bain mostra que três em cada empresas, instigadas pela covid-19 e a aceleração da digitalização, se preparam para investir mais em inteligência artificial e machine learning. Mas assumem que as dificuldades não são poucas.

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Software, que utiliza algoritmos de machine learning, foi desenvolvido em parceria com o Instituto Tecgraf da PUC/Rio e está sendo testado no Maranhão. Próxima etapa é um projeto de pesquisa com foco na integração da produção do gás onshore com a geração de energia, o que significa usar IA em um projeto 100% conectado.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O que é o balanceamento de carga de alta disponibilidade?

Por Ivan Marzariolli *

A alta disponibilidade começa com a identificação e eliminação de pontos únicos de falha em sua infraestrutura que podem desencadear uma interrupção do serviço - por exemplo, implantando componentes redundantes para fornecer tolerância a falhas no caso de um dos dispositivos estiver com problemas.

Dados em tempo real fazem toda a diferença no e-commerce

Por Leandro Rodriguez*

O tempo se tornou o fator crítico no relacionamento entre vendedor e comprador. Levar informações em tempo real a uma filial local ou a gerentes de loja pode ser determinante para a aquisição de clientes e, consequentemente, aumentar as vendas.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site