GOVERNO » Legislação

Novo PL das Fake News descarta remoção de conteúdo

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/06/2020 ... Convergência Digital

O relator do projeto de lei 2630/20, mais conhecido como PL das Fake News, Angelo Coronel (PSD-BA), apresentou uma nova, a terceira, versão de seu substitutivo. O novo texto retira regras para remoção de conteúdo, adota o “poderá” no lugar de obrigações às redes sociais e aposta na transparência das plataformas como ferramenta para coibir a desinformação. 

Enquanto o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, emite sinais de que não haverá novo adiamento na votação marcada para esta terça, 30/6, os senadores passaram a segunda-feira em busca da costura que garantisse aprovação. Mas o dia terminou ainda com posições divididas, requerimentos de retirada de pauta e manifestações de voto contra. O impasse levou ao adiamento da reunião de líderes, inicialmente prevista para este 29/6, e sua remarcação para as 10h30 do dia da votação. 

Formalizado às 21h de segunda, 29/6, o substitutivo contabilizou 152 emendas e eliminou os diferentes procedimentos para remoção de conteúdo. O que se exige é o dever de “garantir transparência em todos os procedimentos de moderação de conta e de conteúdo, observando o contraditório e o direito de defesa”. 

Da mesma forma, o que antes era obrigação de identificação passou para “os provedores de redes sociais e de serviços de mensageria privada poderão requerer dos usuários e responsáveis pelas contas, em caso de denúncias por desrespeito a esta Lei”.  

Nessa mesmo tom mais de orientação que exigência, o texto passa a prever que “o provedor de rede social poderá adotar medidas imediatas de indisponibilização de conteúdos e contas quando verificar risco de: 

I - dano imediato de difícil reparação; 

II - segurança da informação ou do usuário; 

III - grave comprometimento da usabilidade da aplicação; 

IV - incitação à violência contra pessoa ou grupo, especialmente em razão de sua raça, gênero, orientação sexual, origem ou religião; 

V - indução a erro, engano ou confusão com a realidade pelo uso de conteúdo de áudio, vídeo ou imagem deliberadamente alterado ou fabricado, especialmente acerca da identidade de candidato a cargo público, ressalvados o ânimo humorístico ou de paródia; ou 

VI - indução, instigação ou auxílio a suicídio ou a automutilação; 

VII - exploração sexual infantil ou pedofilia”. 

Assim, o alvo de identificação e eliminação é o que o PL chama de contas inautênticas, que define como as criadas para enganar, e as contas automatizadas não identificadas. Além disso, exige que seja identificado “todos os conteúdos impulsionados e publicitários cujo pagamento pela distribuição foi realizado ao provedor de redes sociais”. 

Também some do texto o artigo que exigia pagamento pela divulgação de conteúdos jornalísticos ou artísticos. Mas permanece a guarda de registros dos envios de mensagens veiculadas em encaminhamentos em massa, pelo prazo de três meses. Ficam, também, conceitos técnicos, ainda que discutíveis, como “nateamento” e de registros que “individualizem o usuário de um IP de maneira  inequívoca”. O relator também insiste na criação de um 'Conselho da Transparência', que mistura internet com polícia, para sugerir códigos de conduta às redes sociais e rejeitou emenda que dava esse papel ao Comitê Gestor da Internet.

O Convergência Digital disponibiliza a  íntegra da versão final para votação do PL da Fake News.


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Serviços digitalizados evitaram 65 milhões de visitas a órgãos públicos

A conta é da Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia, que considera atos inteiramente online anteriormente realizados somente com presença física do requerente. 

Suspeita de fraude faz Caixa bloquear 1,3 milhão de CPFs no Auxílio Emergencial

Total de contas bloqueadas responde por cerca de 5% dos pedidos aprovados. Para reativar o benefício, o dono da conta bloqueada terá de ir pessoalmente a uma agência e provar a sua identidade.

ABES: Software cobra transparência do ministério da Economia

Para o presidente da Associação Brasileira de Empresas de Software, Rodolfo Fücher, o veto à prorrogação da desoneração da folha chega em um momento onde a inadimplência aumenta e da falta de crédito.País caiu para 10º no ranking mundial de software.

Bolsonaro surpreende e veta prorrogação da desoneração da folha

Ao sancionar a Lei 14.020/20, presidente descartou manter o benefício até o fim de 2021 para 17 setores, inclusive TI e cal center. “Dispositivos acabam por acarretar renúncia de receita”, anotou na mensagem de veto.

Governo segue com privatização de Serpro, Dataprev e Telebras para 2021

O secretário de desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, disse que não há mudança de planos do governo Bolsonaro, mesmo com o papel desempenhado pelas estatais de TI na pandemia, e está mantido o plano de vender 12 estatais no ano que vem.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G