Teles e TVs brigam por R$ 1 bilhão da TV Digital e Anatel busca consenso

Luís Osvaldo Grossmann ... 21/07/2020 ... Convergência Digital

Dois meses depois da decisão unilateral que destinou as sobras da implantação da TV Digital, a Anatel ainda corre atrás de recompor o consenso entre operadoras móveis e emissoras de televisão. Formalmente, um recurso das teles tenta reverter o uso do saldo, superior a R$ 1 bilhão, em projetos de interesse da radiodifusão. 

“As empresas já mostraram ser possível um entendimento. Aquele acordo se desfez, mas estou seguro que será possível reconstruirmos o consenso”, afirma o presidente da agência, Leonardo de Morais, a quem cabe a decisão sobre o pedido de efeito suspensivo apresentado pelas operadoras. 

De fato, houve um momento em que o Gired, o grupo que reúne teles, TVs, Anatel e governo, avançou na divisão das sobras em projetos do interesse dos dois segmentos. Ou seja, haveria dinheiro para mais conversores e transmissores, mas também para banda larga móvel. 

Restava afinar a gestão dos novos projetos, uma vez que as operadoras móveis querem o ateste das obrigações do edital de 700 MHz para desfazerem a EAD, a empresa formada por elas por obrigação do leilão e que ficou responsável pela distribuição equipamentos e mitigação de interferências. 

Mas eis que veio a pandemia de Covid-19 e com ela uma série de movimentos, no Judiciário e nos Parlamentos federal e estaduais, para garantir a manutenção da conectividade e telefonia mesmo para quem deixasse de pagar os boletos. Acuadas com o risco de inadimplência protegida, as teles sacaram o uso do saldo da TV Digital para cobrir o buraco. Deu-se a cizânia.

A radiodifusão fez avançar a aprovação dos projetos grupo de implantação da TV Digital. As teles votaram contra, mas o presidente do Gired, o conselheiro Moisés Moreira, avocou a prerrogativa de decidir em casos sem consenso. Como resultado, em 26/5 o Gired decretou o provisionamento de recursos das sobras para a distribuição de conversores e transmissores. 

Em que pese clamar 17 vezes pelo consenso, o recurso apresentado por Algar, Claro, TIM e Vivo, as teles móveis que venceram o leilão do 4G, esgrime os argumentos do que claramente ganhará o Judiciário caso não haja recuo para uma solução negociada. Além de insistirem na dissolução da EAD – ou pelo menos na possibilidade de deixarem a empresa – as teles argumentam que o próprio saldo deve deixar de existir, sendo revertido ao “fundo próprio de setor de telecomunicações”. 

Para as teles, com a recente decisão de que os sinais analógicos de TV não serão desligados em 2023, mas funcionarão em caráter secundário, como indicado na Resolução 721/20, da própria Anatel, não há mais que se falar em obrigações editalícias. 

“Em um cenário em que (i) o desligamento do sinal analógico de radiodifusão não guarda mais relação com a implementação das redes de SMP e/ou que (ii) o desligamento do sinal analógico não venha a ocorrer, possibilitando-se a continuidade dos serviços após 2023, em caráter secundário – tal como cogitado na Resolução n.o 721/2020 –, qualquer projeto adicional que se preste a promover uma desnecessária digitalização dos canais de TV e RTV parece incompatível com a legislação em vigor, porquanto desnecessário.”


Internet Móvel 3G 4G
TIM ativa piloto de banda larga fixa com 5G DSS

Primeiros 300 clientes iniciaram testes da tecnologia em Bento Gonçalves (RS), Três Lagoas (MS) e Itajubá (MG). Operadora está entregando os equipamentos em comodato para os testes.

Anatel flexibiliza regras para as MVNOs

Em especial, agência passa a permitir que operadoras virtuais possam fazer contratos com mais de uma prestadora na mesma área de registro. 

Carlos Baigorri toma posse no Conselho Diretor da Anatel

Em cerimônia no Ministério das Comunicações, o novo conselheiro afirmou que "a Anatel tem diversos desafios para o ano que vem, como o leilão de 5G, e temos que garantir que a conectividade chegar a todos rincões do País, com qualidade e a preços acessíveis à população para que todos os brasileiros possam exercer a sua cidadania”.

Feninfra diz que sem desoneração da folha país perde R$ 2 bilhões e 500 mil empregos em Telecom

Segundo a presidente da entidade, Vivien Suruagy, caso o Congresso não derrube o veto de Bolsonaro à medida, haverá um "apagão de tecnologia" no país.

Para OCDE, tributação é gargalo de telecom no Brasil

“Um ponto fraco significativo é o alto nível dos tributos e das taxas aplicados ao setor de comunicações”, aponta a entidade em relatório sobre o setor. Infraestrutura passiva e renovação sucessiva de espectro merecem atenção. 

Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • O Portal Convergência Digital é um produto da editora APM LOBO COMUNICAÇÃO EDITORIAL LTDA - CNPJ: 07372418/0001-79
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G