Clicky

Convergência Digital - Home

Eneva investe R$ 3 milhões para unir gás à energia com a IA ALINE

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 27/07/2020

Um software brasileiro está inovando a exploração de gás natural no Brasil. Criado em parceria pela Eneva, empresa brasileira integrada de energia que atua nos setores de geração, exploração e produção de petróleo e gás natural e comercialização de energia elétrica, e o Instituto Tecgraf da PUC/Rio, o software ALINE (Automated Learning Intelligence for Exploration) utiliza algoritmos de machine learning para gerar indicadores de zonas com maior probabilidade de ocorrência de gás a partir de dados sísmicos terrestres 2D.

Em entrevista ao Convergência Digital, o geofísico da Eneva, Carlos Siedschlag, conta que o software já tem registro do Instituto Nacional de Propriedade Industrial e se mostra eficiente na produção. O ALINE está sendo testado nas linhas sísmicas existentes, próximas aos poços de exploração e produção de gás natural do Complexo Parnaíba, no Médio Mearim (MA).

"O ALINE nasceu de uma provocação da área de Inovação que queria ter a tecnologia mais próxima da exploração. E o resultado tem sido efetivo com até 85% de assertividade", comemora o especialista. Na prática, diz Siedschalg, o ALINE será um parceiro de trabalho e vai ajudar na hora da decisão exploratória. O projeto utiliza a metodologia de Long Short-Term Memory (LSTM), uma rede neural que analisou cada traço sísmico de forma independente, para verificar se existe alguma assinatura específica para as zonas com anomalias de gás.

Um dos diferenciais do ALINE será atuar com uma infraestrutura 100% conectada, uma vez que a ENEVA, ao contrário da maioria das empresas de óleo e gás que exploram e produzem em etapa distinta, unifica a produção de gás conectada às usinas de tratamento de gás e às de geração de energia no Nordeste.

"Na prática, nós temos um modelo que trás o gás do reservatório para a rede elétrica, uma vez que vendemos energia para o Governo. Esse é um modelo batizado de reservoir-to-wire (R2W) e usa muita inovação. A Aline terá papel de nos ajudar a monetizar os campos de produção", reforça Carlos Siedschag.

Os custos de produção do ALINE ficaram em torno de R$ 3 milhões, sendo R$ 1,8 milhão de Pesquisa e Desenvolvimento da Aneel (Agência Nacional de energia elétrica) e R$ 1,3 milhão de P&D da ANP (Agência Nacional de Petróleo).


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site