Clicky

Convergência Digital - Home

Riscos digitais x LGPD: cada empresa tem de enfrentar os seus

Convergência Digital
Por Suzana Liskauskas* - 17/08/2020

Para cada organização há um tipo de risco, com resultados indesejados e inesperados, decorrentes da transformação digital. O alerta foi dado por Marcos Nehme, diretor regional da RSA Security no Brasil e Cone Sul, no evento Gerenciamento Integrado de Riscos + LGPD com RSA Archer Suite, realizado pela Every Cybersecurity and GRC. Segundo o executivo, cada organização precisa identificar o perfil do seu risco digital.

“A natureza da hiperconectivdade dos negócios digitais amplia o lado negativo do risco. Por estarmos atuando com perímetro sem fronteira, sem barreiras, os riscos digitais crescem e aparecem. Nesse cenário, é imprescindível criar uma estratégia integrada que permita essa inovação ao mesmo tempo em que se gerencia os riscos e a operação dos negócios”, afirmou Nehme.

Para o executivo da RSA, à medida que as organizações ampliam a adoção de tecnologia nas operações rotineiras, elas introduzem os riscos digitais pela hiperconectividade e pela falta de perímetro. Nehme observa que, quanto mais complexa a iniciativa da transformação digital, maior a probabilidade de manifestação de riscos.

Para mitigar os impactos, o executivo chama atenção para a importância de identificar os fatores que contribuem para vencer o desafio do gerenciamento de riscos. Nehme destacou, durante o evento algumas iniciativas que devem ser observadas pelas equipes. A primeira está relacionada à complexidade do negócio e à estratégia do negócio.

Outro ponto de atenção se refere ao perfil dos dados, que, segundo Nehme, se transformou na moeda da transformação digital. Ele destacou ainda o papel da arquitetura técnica, que pode ter um efeito dramático no perfil do risco. A estabilidade da tecnologia adotada é, segundo Nehme, outro fator de impacto. Ele diz que não adianta focar na complexidade, é preciso manter a arquitetura disponível e estável.

“Quando falamos em gerenciamento de risco, o importante é identificar rapidamente um incidente e responder com a mesma agilidade na busca pela solução. Não dá para saber qual será o incidente, mas é preciso ter capacidade para identificá-lo e atuar com rapidez”, conta Nehme.

O executivo da RSA acrescenta ainda que o escopo geográfico dos dados e a conformidade com leis e regulações são pontos efetivos de atenção. Ele alertou aos gestores: novas legislações têm de entrar no radar das táticas de negócios digitais. Por fim, orientou para que se faça uma boa gestão do serviço de terceiros, especialmente, os de provedores de nuvens e de equipes de infraestrutura de TI.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Diversidade e Ciência de Dados: um desafio ao Brasil

Mais mulheres precisam ocupar carreiras em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática pelo bem do País, incentiva a embaixadora da Women in Data Science da USP (WiDS @USP), Renata Sousa.

Destaques
Destaques

Nuvem exige plano A, plano B e erra quem não faz recuperação de desastre

A nuvem não é proteção por si só e exige muito planejamento das empresas, afirmam especialistas de segurança da informação. Para o CISO da RNP, Emilio Nakamura, contingência e resiliência são obrigações. "Ser rápido num incidente é o relevante porque não existem sistemas 100% seguros".

Com nuvem à frente, nova força da TI na pandemia começa a refletir nos orçamentos

Segundo a IDC Brasil, se 2020 já viu um aumento de até 25% no dinheiro disponível para TICs nas empresas, 2021 sinaliza um crescimento ainda maior.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site