Clicky

Home - Convergência Digital

Vale vai investir em laboratório 5G

Convergência Digital - 16/09/2020

Em seu projeto de indústria 4.0, a Vale aumentou significativamente a expectativa em relação à conectividade. "Temos uma série de aplicações que levam informações para centros de controle, o que nos tornou mais dependentes da conexão", comentou Marcia Costa, gerente-executiva de Tecnologia da empresa, ao participar da Sessão especial 2: Conectando mercados verticais: oportunidades com IOT e 5G, no Painel Telebrasil 2020.

A dependência da conectividade, aliás, foi um dos motivos que levou a Vale a uma parceria com a Vivo, para a instalação de uma rede privada de LTE, ao lado da Nokia, que já atuava com ela. E é um dos fatores que são ponderados no planejamento de abrir um laboratório 5G.

Os desafios da Vale não são pequenos. A empresa trabalha, por exemplo, com caminhões e outros dispositivos autônomos que têm uma série de sensores e exigem um tempo de resposta tecnológica bem preciso. "Um dos nossos pilares é a exposição ao risco, o que nos incentivou a ter caminhões autônomos em áreas críticas", explicou a executiva. As vantagens com o uso dessa tecnologia se refletiram em mais precisão no uso e economia de pneus, por exemplo.

Mas não são os caminhões os únicos motivos que levam a operadora a se tornar mais dependente da conectividade. A empresa trabalha com sensores para monitoramento de radares, com videomonitoramento, com rastreamento de equipamentos e de pessoas, inspeções sem a presença humana e outras aplicações. E isso considerando que seu ramo de atividade, a mineração, sempre teve problemas de cobertura devido às áreas remotas em que atua.

A empresa dispõe de sua própria equipe de telecom e chegou a requerer na Anatel ter a sua própria frequência. Recentemente, fechou um acordo com a Vivo para a implantação da rede móvel privativa em uma mina no Vale dos Carajás (PA), mas que deve se estender para as 15 operações da Vale no Brasil. "Temos de ir para o LTE, substituindo o Wimax que operávamos", disse a executiva. A Nokia é a fornecedora de equipamentos.

Marcia fez questão de ressaltar que há um importante aspecto social nesse contrato, com a cobertura do entorno das minas que são, na maioria, lugares afastados e sem qualquer tipo de conexão. "Por conta da parceria, a Vivo agilizou a cobertura de um hospital em Carajás, o que também mostrou que dá para acelerar quando se unem forças", observou.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/04/2021
América Latina se divide sobre uso de ondas milimétricas

15/04/2021
Leilão de 26 GHz terá disputa no Brasil

14/04/2021
Ericsson registra patente brasileira para o 5G

13/04/2021
No 5G, Oi desponta como 'azarão' na faixa de 26GHz

12/04/2021
IHS ainda negocia com a TIM, mas compra mais 602 torres no Brasil

12/04/2021
Latência baixa do 5G SA é tão rápida quanto o sistema nervoso humano

09/04/2021
Bolsonaro faz primeira vídeo chamada com 5G

07/04/2021
Brasil está fora dos países liberados pela Espanha para o Mobile World Congress

06/04/2021
Huawei: é cedo para dizer quem está dentro ou fora da rede privada do governo

06/04/2021
TCU discute 5G no Brasil, em evento fechado, nos dias 08 e 09 de abril

Destaques
Destaques

Highline se propõe a comprar licença 5G e oferecer espectro como serviço para ISPs

A proposta da empresa, explicou Luis Minoru, diretor de estratégia e novos negócios, é o de oferecer toda a infraestrutura na modalidade de serviço. Já há testes em andamento, não revelados, para o funcionamento da modalidade que inclui a operação de telefonia móvel.

Cobertura 4G chegou a 85% da população mundial, mas metade dela seguiu sem acesso à Internet em 2020

Levantamento da União Internacional de Telecomunicações mostra que a principal razão da exclusão digital é o alto preço do serviço diante da receita do consumidor. "Houve uma queda nos preços, mas precisa cair muito mais para termos um futuro melhor", pontuou o secretário-geral da UIT, Houlin Zhao.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Com rede sujeita a apagões, qual impacto do 5G na energia no Brasil?

Por Pedro Al Shara*

Segundo pesquisa da Vertiv, fornecedora de equipamentos e serviços para infraestrutura crítica, um aumento da ordem de 150% a 170% no consumo energético é projetado no setor de Telecom até 2026. Com toda a inovação que o 5G representa, mais dispositivos poderão acessar a internet móvel ao mesmo tempo, utilizando o mesmo sinal.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site