Clicky

Home - Convergência Digital

Oi segrega frequência do 3G para entrar na disputa do 5G

Ana Paula Lobo - 07/10/2020

Em um movimento distinto das rivais, a Oi anuncia a primeira oferta do 5G em Brasília a partir da segregação da frequência do 3G em detrimento da tecnologia DSS.  Em entrevista ao Convergência Digital, o diretor de Marketing de Varejo e Empresarial da Oi, Roberto Guenzburger, diz que o investimento no 5G é a afirmação ao mercado que, enquanto a UPI Móvel estiver sob o controle da Oi, haverá investimentos.

"Fizemos a segregação da faixa do 3G, 2,1GHz, com 10Mhz +10MHz, até porque o 3G está realmente deixando de existir no Brasil. Hoje temos 4G e 2G. Não há compartilhamento do 3G com o 5G. Nós fizemos a segregação para ter uma faixa exclusiva para o 5G e oferecer os benefícios da tecnologia", explica Guenzburger. No caso de Brasília, o fornecedor é a Huawei, mas há pilotos em outras cidades com outros fornecedores. O executivo admite que o 5G no Brasil será, num primeiro momento, para consumidores de alta renda em função do alto custo do equipamento. E explica o porquê de a Oi, nesse momento, não ter ainda a banda larga fixa wireless residencial, a FWA, em Brasília.

"Não há CPE 5G homologada no Brasil pela Anatel e as que estão no mercado externo são ainda equipamentos caros. Assim como o celular 5G é caro, com custo em torno de R$ 5.000,00. Por isso, até escolhemos Brasília, que é a cidade com a maior renda per capita do Brasil", observou o executivo da Oi. Do ponto de vista de estratégia de venda, a Oi quer consolidar a sua marca e aposta na manutenção dos planos do 4G para incentivar a migração para o 5G.

"O nosso cliente só vai ter de comprar o aparelho celular e estamos dando desconto. O chip e os planos 4G são válidos para o 5G. O que recomendamos é que o cliente aumente a sua franquia para usufruir do benefício do 5G. O nosso plano de 100 Giga está por R$ 129,00", adiciona Guenzburger. Dentro da estratégia da Oi de valorizar a fibra, a cobertura em Brasília é considerada muito acima até das rivais com DSS. "Estamos em 80% da cidade e a fibra fará toda a diferença para escoar o tráfego", adiciona o diretor da Oi.

O 5G da Oi está disponível no Plano Piloto (Asa Sul, Asa Norte, Lago Sul, Lago Norte, incluindo a praça dos Três Poderes e Esplanada dos Ministérios), além de outras regiões como os Setores Administrativos (Cruzeiro, Sudoeste, Gama, Planaltina, Guará, Núcleo Bandeirante, Taguatinga, Recanto das Emas, Samambaia, Ceilândia, Sobradinho, São Sebastião, Riacho Fundo e Santa Maria). Sobre novas cidades, Guenzburger é cauteloso, mas diz, que, sim, o plano é levar o 5G para as com maior renda per capita.




Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

20/01/2021
Operadoras abraçam Open RAN aberto, mas cobram financiamento da União Europeia

19/01/2021
EUA querem dar a faixa de 12 GHz para o 5G

15/01/2021
Teles querem deixar migração das parabólicas para depois do leilão 5G

14/01/2021
Oi descarta veto do CADE à venda da Oi Móvel para TIM, Vivo e Claro

13/01/2021
Algar tenta suspender venda da Oi Móvel em novo apelo ao CADE

11/01/2021
Consumidor abre mão de acesso 5G por bateria com mais duração

05/01/2021
Brasileiro será CEO global da Qualcomm a partir de junho

29/12/2020
Algar Telecom vai ao CADE contra venda da Oi Móvel à TIM, Vivo e Claro

21/12/2020
Eduardo Levy assume diretoria de Relações Institucionais da Oi

18/12/2020
Para Oi, vetos dificultam uso do Fust para inclusão digital

Destaques
Destaques

Uso da faixa de 700 MHz deixa 4G disponível 80% do tempo no Brasil

Segundo a mais recente análise da OpenSignal, TIM tem a rede de quarta geração com maior disponibilidade, 88,2%, à frente da Claro (79%) e Vivo (79,5%), Oi (70,2%). 

Um em cada quatro acessos móveis na América Latina será 5G até 2026

Nova edição do Relatório de Mobilidade da Ericsson aponta que até o final de 2020, mais de 1 bilhão de pessoas ao redor do mundo já estará usando 5G. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Previsões para 5G Core (5GC) e redes móveis em 2021

Por Ivan Marzariolli*

A maioria das teles com 5G escolheu o que é chamado de implementação “não autônoma”.  É um híbrido de 4G e 5G que permite oferecer muitos recursos 5G aos assinantes, enquanto ainda aproveita o investimento existente em seu core de pacote 4G. Operadoras estão ansiosas para aproveitar as vantagens do 5GC (SA ou autônomo) - maior agilidade de serviço e custos mais baixos.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site