Clicky

Convergência Digital - Home

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Convergência Digital
Convergência Digital - 14/10/2020

Um levantamento da IDC no Brasil aponta que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos. Neste sentido, a tecnologia torna-se essencial para suportar essas atividades e os serviços em nuvem, imprescindíveis para que as empresas alcancem esses objetivos.

De acordo ainda com a pesquisa, 44% dos entrevistados no Brasil informaram que suas empresas vão aprimorar as iniciativas de conectividade em 2020/2021. Trinta e oito por cento delas indicaram que vão promover melhorias nas atividades relacionadas a costumer experience. Na América Latina, 48% dos respondentes informaram que têm planos de investir em IoT/Edge Computing, fazendo da cloud um serviço essencial para a transformação digital dessas empresas. Os dados foram revelados em evento realizado pela Oi Soluções para clientes, sobre inovação tecnológica.

Mas como o serviço em cloud pode colocar as companhias em um outro nível de digitalização?  O fato é que em relação à arquitetura de TI e à adoção de nuvem, diz a IDC, há três modelos praticados por empresas das mais variadas verticais de negócios: nuvem pública, mais abrangente acomodando aplicações dinâmicas, geralmente tocando o cliente final ou o ecossistema do qual a empresa faz parte; nuvem privada, destinada aos workloads que necessitam estar próximos do núcleo de negócios ou que têm algum parâmetro ou legislação que requer essa atividade; e a TI tradicional, cujo objetivo é suportar sistemas que por motivos técnicos ou estratégicos não serão modernizados. 

Tendência de adoção mais importante na América Latina na era pós-covid, a chamada nuvem híbrida, que é a combinação da utilização de nuvens públicas e privadas ganha destaque. Segundo entrevistados pela IDC, até 2021 os investimentos serão mantidos ou aumentados para todos os tipos de cloud (privado 61%, IaaS 58%, PaaS 59% e SaaS 58%) devido à necessidade de novas tecnologias impulsionada pela Covid-19. O avanço de ambientes híbridos é uma característica da adoção de nuvem do mercado brasileiro e, diante do grau de complexidade e a importância da segurança na nuvem, há uma necessidade do gerenciamento de todos esses serviços.

“Em se tratando de cloud, atualmente os clientes corporativos têm múltiplas soluções à sua frente. E não há uma fórmula certa que sirva para todas as empresas. Cada indústria tem a sua particularidade e a sua solução específica. A nossa função na Oi Soluções é olhar para o cliente do nosso cliente entendendo quais são as aplicações ou sistemas que não podem falhar, definir a infraestrutura e o tipo de cloud que vamos oferecer para ele. Tudo baseado em valor, flexibilidade e criticidade”, completea o diretor de vendas regionais Oi Soluções, Ideval Munhoz.


Destaques
Destaques

Sky nega venda de data center e quer ter 100% dos sistemas na nuvem em 2022

"O projeto era ter tudo este ano, mas tivemos que rever por conta da pandemia. Vamos ficar com 80% dos sistemas de TI na nuvem da Oracle. Mas isso não significa que vamos nos desfazer do nosso data center. Ele será realocado para a Engenharia", afirmou André Nazaré, diretor de TI da Sky Brasil.

Teradata é 100% cloud e open source

Há 40 anos no Brasil, empresa disse adeus ao hardware para ser uma companhia de software e de computação em nuvem. "Boa parte das empresas trata os dados como uma mercadoria. Eles estão em silos, mal gerenciados e inacessíveis para quem precisa", observa o diretor geral da Teradata no Brasil, Fabio Oliveira.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Cloud é bom, mas quem gerencia?

Edmilson Santana*

Se a nuvem soluciona problemas de um lado, de outro sua operação demanda a formação de um time capaz de traduzir demandas de negócio em continuidade operacional, e isso de forma ágil, produtiva e consistente.

Como a IaaS está alinhada ao seu negócio?

Por Fábio Lucinari*

Cada vez mais é preciso considerar que as opções convencionais de TI tendem a ser ineficientes no trabalho de auxiliar as companhias a se adaptarem às necessidades e aos desafios do cenário atual. Infraestrutura como serviço oferece soluções projetadas sob medida e aprimoram o consumo da área de tecnologia.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site