Convergência Digital - Home

Pelo mínimo de R$ 325 milhões, Oi leiloa cinco datacenters em 26 de novembro

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 15/10/2020

A 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro, onde corre a recuperação judicial da Oi, homologou o edital de venda dos cinco datacenters da operadora, agregados na chamada UPI Data Center, com instalações em Brasília, São Paulo, Porto Alegre e Curitiba. O preço mínimo é de R$ 325 milhões e a abertura das propostas foi marcada para 26 de novembro, na sala de audiências da 7ª Vara . 

Por ter apresentado a proposta que baseou o preço mínimo, a Titan Venture Capital e Investimentos, veículo de investimentos da Piemonte Holding, poderá “cobrir, por qualquer valor, a oferta de maior valor acima do preço mínimo que vier a ser apresentada”. 

No caso do datacenter em Brasília, a venda inclui o imóvel onde a estrutura está instalada – embora isso ainda dependa de anuência da Anatel. Nos demais, a utilização deverá ser garantida por contratos de locação celebrados pela SPE Data Center com a Oi ou com terceiros.

O negócio dá direito ao novo dono levar também “todos os contratos vigentes de prestação de serviços vinculados aos respectivos data centers, seja colocation, hosting ou conectividade IP associada, com os clientes corporativos externos”. A Oi também será um cliente da SPE Data Center, alugando espaço para a hospedagem dos seus servidores através de um contrato de prestação de serviços de hospedagem de equipamentos (colocation).

Segundo o edital homologado nesta quinta pela 7ª Vara Empresarial, o pagamento prevê um mínimo de R$ 250 milhões à vista, e os demais R$ 75 milhões parcelados. Os interessados têm sete dias para notificar a Oi, pelos e-mails diogo.aragao@bofa.com; rodrigo.lowndes@bofa.com; maria.heuri@bofa.com; e julio.ricca@bofa.com, com cópia para o Administrador Judicial através do e-mail credoroi@wald.com.br. E terão 30 dias corridos, a partir do edital, para apresentar as propostas fechadas. Essas propostas serão abertas em audiência virtual a ser presidida pelo Juízo da Recuperação Judicial, marcada para às 14:30 horas de 26/11/2020.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Startup cria time de cientistas de dados para avançar nos negócios

Com sede nos EUA, a Fligoo atua nos segmentos de finanças, educação e saúde, e sabe da relevância de ter profissionais capacitados para lidar com os dados. "Prepare-se o tempo todo. Estude. Não espere a necessidade chegar", aconselha Leandro Ferrado.

Destaques
Destaques

Quase metade das empresas vai investir em edge computing na América Latina

Pesquisa da IDC Brasil, realizada para a Oi Soluções, revela ainda que 66% das empresas deverão ativar digitalmente seus modelos operacionais e terão o trabalho remoto incluído de forma permanente em suas políticas de recursos humanos.

Eletrobras contrata Analytics para acelerar jornada digital

Estatal, responsável por 1/3 da capacidade elétrica do Brasil, quer usar os dados para manter as melhores práticas de governança e investir em IoT, chatbots e robôs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como controlar os gastos em nuvem pública?

Por Srinivasa Raghavan*

Se as empresas obtiverem melhor visibilidade do custo de cada serviço em nuvem que utilizam, poderão encontrar o equilíbrio certo entre eles, reduzir as despesas operacionais e obter o melhor valor possível da nuvem.

O caminho da cibersegurança passa pela nuvem

Por Felipe Canale*

Com organizações cada vez mais distribuídas, manter dispositivos em todos os locais ou usar produtos diferentes para trabalhadores remotos cria inúmeras brechas de segurança, além de custar muito e sobrecarregar os recursos de TI.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site