Clicky

Convergência Digital - Home

JPMorgan moderniza 450 petabytes de dados e 6000 aplicativos com a AWS

Convergência Digital
Por Roberta Prescott* - 01/12/2020

O JPMorgan está no meio de uma transformação e tem se valido da AWS para modernizar suas práticas, buscando engenharias mais modernas, como reformulando os aplicativos para serem nativos da nuvem, incrementando o uso de inteligência artificial e análises mais avançadas, destacou Lori Beer, CIO do JPMorgan Chase & Co., na sessão de abertura do evento anual da AWS, o re:Invent 2020, realizado pela primeira vez de forma online.

"Decidimos repensar completamente nosso ambiente para abraçar um verdadeiro esforço de modernização alcançando 250.000 funcionários, 35.000 desenvolvedores, 6.000 aplicativos e 450 petabytes de dados. Nós nos perguntamos como podemos alavancar nossa história de inovação e know-how institucional, a fim de evoluir nossos negócios para a revolução tecnológica de hoje", contou.

A alta diretoria da instituição definiu a direção e as lideranças de negócios e de tecnologia trabalharam juntas com objetivo de alcançar um mundo de nuvem híbrida. "Trabalhamos juntos em uma abordagem única, realizando hackathons reais com a AWS e engenheiros do JP Morgan para desenvolver aplicativos e migrar cargas de trabalho", disse.

Esse processo nos ajudou a descobrir problemas, serviu para adquirir conhecimento institucional e aprimorar a colaboração. "Desenvolvemos projetos repetíveis, ajudando os desenvolvedores a arquitetar aplicativos modernos e ambientes seguros e repetíveis, usando a profundidade dos serviços da AWS. Trabalhar com a AWS nos permite dimensionar grandes volumes, como Amazon EMR, para análise de negociação, ou AWS Lambda e Amazon Elastic Kubernetes Service (Amazon EKS) para cálculos de risco. Portanto, podemos inovar, ficar à frente de nossos concorrentes e transformar a nós mesmos dá muito trabalho, mas estamos criando caminhos pavimentados para desenvolvedores e acelerando a adoção", contou.

Inteligência

Como podemos transformar o negócio por meio de IA e melhores análises? Para Beer, é necessário contar com uma plataforma de IA moderna que seja segura e que possibilite experimentação rápida, uma vez que a instituição financeira tem relacionamentos com clientes que somam metade de todas as famílias nos Estados Unidos. "A escala de nosso alcance oferece uma oportunidade de usar análises para melhor atendê-los", assinalou, acrescentando que faz uso do Amazon Sagemaker para aprendizado de máquina.

"O Sagemaker nos ajudou a criar uma plataforma para testar e treinar rapidamente algoritmos de aprendizado de máquina, permitindo-nos executar mais experimentos com mais dados", explicou. Um dos objetivos é tornar as interações com os clientes mais personalizadas, testando modelos avançados de aprendizado de máquina para ter uma visão mais abrangente do risco e realizando treinamento e recomendações em tempo real para agentes de call center, para que possam atender melhor.

Agora, o JPMorgan está investindo em tecnologia de armazenamento de dados em nuvem com o Amazon Redshift para dimensionar de forma mais eficaz os recursos analíticos em um ambiente moderno. "A combinação de uma plataforma de IA escalonável e ambientes de computação elástica da AWS nos ajudará a acelerar nossos esforços para infundir análises em tudo o que fazemos", ressaltou a CIO.


Ministério da Justiça escolheu nuvem da Oracle para atender ao consumidor

"A nuvem nos abre um novo catálogo de possibilidades para serviços", afirma o coordenador geral de infraestrutura e serviços do Ministério da Justiça, Leonardo Greco. Serviço consumidor.gov.br migrou para a Oracle no final de maio.

Icatu Seguros: mudar atendimento ao cliente para a nuvem foi decisão irreversível

Seguradora contratou a CXone, da NICE, para migrar, em tempo recorde, os seus funcionários para o trabalho remoto. "Tínhamos de não perder a qualidade e a eficiência e adaptar o serviço ao dia a dia das casas dos colaboradores", conta o diretor de Marketing e canais, Rafael Caetano.

Destaques
Destaques

Justiça do DF diz que dados em nuvem não têm proteção contra quebra de sigilo

Para o relator do caso, "dados armazenados em nuvem não evidenciam uma comunicação de dados" e, por isso, não estariam protegidos pela legislação. 

São Paulo concentra mais da metade das startups de Inteligência Artificial

Estudo da KPMG mostra que existem, hoje, 702 startups em atuação no segmento no País. Levantamento ainda que, desde 2012 setor atraiu US$ 839 milhões em 274 rodadas de investimento; em 2020 foram captados US$ 365 milhões.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

IA, nuvem e IoT exigem data centers mais eficientes

Por Ed Solis*

Adoção crescente de tecnologias como inteligência artificial, internet das coisas e PoE estão na lista para melhorar o desempenho das redes e a eficiência do gerenciamento.

A Covid-19 e o governo digital

Por Marcos Boaglio*

A digitalização impõe adotar uma cultura de inovação na qual se fomente a experimentação, derrubar barreiras a partir de novos veículos de aquisição e implementar uma classificação de dados moderna, assim como desenvolver capacidades para empoderar os trabalhadores para finalmente aproveitarem as novas tecnologias.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site