Clicky

Convergência Digital

Colaboração compartilhada avança na jornada digital

Por Wanise Ferreira - 05/02/2021

Enquanto o setor público corria para oferecer serviços digitais aos cidadãos em meio à pandemia da Covid-19, o governo brasileiro recebeu uma boa notícia: o País foi classificado em 16º no Índice de Governo Digital (1) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) relativamente ao ano de 2019. Mas não havia muito tempo para comemorar, já que a pandemia não cedera e a necessidade de digitalização só crescia.

Surgiram – e também estão no forno – vários projetos interessantes e muitos deles têm sido resultado de uma colaboração maior entre a iniciativa privada e a área pública. “Esse clima colaborativo não acabará com o fim da pandemia e a tendência é que essas parcerias se expandam ainda mais”, observa Marcia Ogawa, sócia-líder da Deloitte para Tecnologia, Mídia e Telecomunicações.

"O governo já conduzia a sua transformação digital, independentemente da pandemia, mas o fato é que acelerou a partir da Covid-19. A fim de ajudar os órgãos públicos a enfrentarem esse desafio, diversas empresas de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) se aproximaram para um trabalho conjunto de desenvolvimento de soluções digitais que beneficiassem o cidadão", afirma a executiva. Marcia Ogawa evita falar em programas de PPPs (Parcerias Público- Privadas), chamando essa atuação muito mais como uma colaboração compartilhada que, em sua opinião, deverá ganhar novos formatos e ser ampliada para diversas áreas.

União de esforços

A pandemia tem servido para reforçar a ideia de que a partir do compartilhamento de informações específicas – respeitando a legislação de privacidade de dados – é possível uma atuação conjunta para levar a inovação a diversos segmentos, reforça Elias de Souza, sócio da Deloitte para Governo e Serviços Públicos. “Já vimos isso em mercados como os de mobilidade urbana, saúde, portuário, aeroportuário, rodoviário e outros”, exemplifica.

A Deloitte promoveu uma pesquisa denominada Digitalização, Resiliência e Continuidade dos Negócios (2). Nesse levantamento, conta o executivo, a colaboração com a iniciativa privada foi um dos destaques ao mostrar a possibilidade de empresas de tecnologia realizarem parcerias de impacto em grande escala, fornecerem o apoio técnico para a construção de estratégias de transformação digital, garantirem agilidade na oferta de soluções de prateleira mais a capacidade para o desenvolvimento de plataformas customizadas.

O estudo ressalta ainda que há espaço para atuação ao lado de startups, em um ecossistema que envolva os órgãos governamentais e govtechs, especializadas em prover serviços para o setor público. A saúde é um exemplo significativo da efetividade do compartilhamento de iniciativas.

O mercado desse setor esteve bem aquecido nos últimos anos, com o surgimento de grande número de healthtechs com serviços diretamente ligados à telemedicina. A Covid-19 acelerou a liberação do uso da tecnologia de atendimento remoto de forma temporária, através das teleconsultas, rapidamente transformadas em referência no atendimento médico no Brasil nos meses mais agudos da pandemia.

O sistema público não ficou atrás ao implementar serviços a distância pelo TeleSUS, para informações e teleconsultas na atenção primária. Uma das estratégias foi batizada de Consultório Virtual, em parceria com o Hospital Albert Einstein, por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde – Proadi-SUS. Os números provam o sucesso da iniciativa. De acordo com o Ministério da Saúde, o Consultório Virtual fez mais de 25 mil atendimentos, 13 mil prescrições simples, 5 mil prescrições médicas e 5 mil solicitações de exames.

Se a saúde sobressaiu, a educação básica sofreu, lamenta a executiva da Deloitte Marcia Ogawa. Aconteceu a liberação compulsória do EAD (Ensino a Distância), o que envolveria um maior uso de TICs no ensino e acesso à internet. Com deficiência nas duas áreas (baixa conectividade em algumas regiões e pouco acesso a dispositivos para todos os alunos), a adoção nas escolas públicas ficou abaixo dos 20% e, num claro sinal da desigualdade digital nacional, na área privada essa adesão chegou a 85%.

Índice de Governo Digital - 2019
1 - Coreia
2 - Reino Unido
3 - Colômbia
4 - Dinamarca
5 - Japão
6 - Canadá
7 - Espanha
8 - Israel
9 - Uruguai
10 - Portugal
11 - França
12 - Nova Zelândia
13 - Noruega
14 - Luxemburgo
15 - Itália
16 - BRASIL
17 - Eslovênia
18 - Estônia
19 - Letônia
20 - Áustria
Fonte: OCDE, outubro 2020

(1) https://www.oecd-ilibrary.org/docserver/b00142a4-en.pdf?expires=1611758146&id=id&accname=guest&checksum=FBEADB028EAF14DA4DE029A9312BB147

(2) https://www2.deloitte.com/br/pt/pages/strategy-operations/articles/analise-covid-setores.html


Governança orçamentária: um tema que veio para ficar no Brasil

Cenário de baixa arrecadação em meio à pandemia acende a discussão sobre como resolver os principais desafios da administração pública, pontua o diretor da Oracle, André Cunha. Governança fiscal e orçamentária são temas distintos, mas interdependentes.

Jundiaí, em São Paulo, implementa nuvem de segunda geração para se tornar cidade inteligente

Prefeituras de menor porte conseguem incluir projetos com tecnologias emergentes, como IoT e machine learning, em orçamentos mais restritos e com ações personalizadas, afirma Bernard London, arquiteto de Soluções para o Setor Público da Oracle.


Cidadão Conectado - clique aqui para ver o especial completo
Editora Convergência Digital
Patrocínio - Capgemini
Copyright © 2005-2021 Editora Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site