Clicky

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

Luís Osvaldo Grossmann ... 10/02/2021 ... Convergência Digital

Em audiência que quase descambou para bate-boca, o grupo de trabalho do 5G na Câmara dos Deputados ouviu nesta quarta-feira, 10/2, as operadoras de telecomunicações, grandes e pequenas, sobre as condições previstas no edital da Anatel.

Pelo que se viu, Claro e Vivo se isolaram na defesa de que o leilão não exija o 5G pleno, ou seja, não exija o leilão com o release 16, da 3GPP. Enquanto TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas afirmaram: o 5G pleno, ou ‘stand alone’, não é mais caro nem será motivo de qualquer atraso na implantação da nova tecnologia no país.

Aparentemente, as duas teles que mais investiram no 5G DSS até aqui não esperavam um ambiente de amplo apoio ao chamado release 16, ou seja, a versão completa do 5G, por contemplar não apenas conexões mais rápidas, mas também baixíssima latência e IoT massivo. 

“Estamos no Brasil, não estamos na Suíça, não estamos na Europa. Quem defende 5G ‘stand alone’ não tem uma rede da melhor qualidade. Será no mínimo quatro vezes mais caro do que se usarmos a planta que já temos e vai atrasar o 5G em três anos no Brasil”, disparou o vice presidente de relações institucionais da Claro, Fabio Andrade. 

O vice presidente regulatório da TIM, Mario Girasole, rebateu: “Estão configuradas duas falsidades: uma é que o release 16 sai mais caro, isso é falso não porque a gente acha, mas porque os contratos com as fabricantes mostram. A segunda, que isso atrasa o leilão. Isso não tem nada a ver. Os prazos do leilão independem de algo que está mundialmente padronizado. Seria um desperdício de recursos entrar com algo que já está ultrapassado. O 5G que não é ‘stand alone’ é um 4G plus.”

Única aliada da Claro nesse tema, a Vivo apontou que o 5G pleno é a meta, mas defendeu um caminho escalonado para os investimentos. “A questão é que a gente acha que o melhor para nós é que isso ocorra com a migração de 4G para 5G ‘não-SA’ e depois para o 5G SA. Não teríamos que antecipar investimentos, mas teríamos uma migração suave”, afirmou o diretor de planejamento de redes da Vivo, Átila Branco. 

O presidente da Telcomp, Luiz Henrique Barbosa, e da Associação Neo, Alex Jucius, reforçaram o entendimento de que não faz sentido que os novos investimentos não contemplem a tecnologia de ponta e que os novos entrantes certamente já vão partir para implantações tendo em vista o release 16 do 3GPP – o grupo global de empresas e fabricantes que atua na padronização das tecnologias. 

Como explicou a consultora da Abrint, Cristiane Sanches, a exigência do padrão mais atual tem impacto direto na competição. “Adotar a tecnologia do release 16 envolve dois aspectos. Abre oportunidades de serviços novos e garante que todas as operadoras partam de um princípio comum. Ou seja, uma rede nova em que a politica pública não fornece um subsidio cruzado para operadoras que já têm uma rede legada.”


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi

As faixas de 2,4 GHz e de 5 GHz estão congestionadas no Brasil e torna-se urgente ter mais frequência por mais capacidade e eficiência, afirma o chefe de Tecnologia da CommScope para Caribe e América Latina, Hugo Ramos.

Oi: fibra ótica é o chassi de suporte para Wi-Fi 6, Wi-Fi 6E e 5G

Para o VP da Oi, Carlos Eduardo Monteiro, o Brasil tem desafios a vencer para a expansão do Wi-Fi 6, como ofertar mais segurança jurídica e regulatória para os investimentos. O câmbio – já que todos os aportes e equipamentos são atrelados ao dólar – desponta como um gargalo a ser enfrentado.

Pequenos provedores querem antecipar uso outdoor do Wi-Fi 6E

“Desenvolver toda a base de dados leva tempo. Mas há operações que já sabemos onde são usadas e onde evitar problemas. Então podemos começar a implementar desde já”, diz o presidente da Associação Neo, Alex Jucius. 

GSMA: há risco no uso do Wi-Fi 6E em ambiente outdoor

Entidade insiste na necessidade de destinar uma parte dos 1200 MHz do espectro de 6 GHz para a oferta de serviços licenciados. "Essa faixa é mais viável para atender a demanda de espectro de banda média", afirma o diretor para a América Latina na GSMA, Lucas Gallitto.

Wi-Fi 6E: o futuro da infraestrutura do Wi-Fi
Empresa brasileira se prepara para oferecer Wi-Fi como serviço
Cambium Networks: é urgente a necessidade de atualização das redes para o Wi-Fi 6
IDC: Wi-Fi 6 e Wi-Fi 6E exigem evangelização por parte do ecossistema
Facebook: risco de interferência em 6 GHz não afeta a oferta do serviço
Brasil assume liderança e se torna hub do Wi-Fi 6E nas Américas
Veja mais matérias deste especial

Integração da Oi Móvel pela TIM começa pelas frequências e tem prazo de 12 meses

Estratégica para os planos da tele no Brasil nos próximos anos, a integração dos ativos da Oi Móvel começará 'nos dias subsequentes' à aprovação do negócio, afirmou o CEO Pietro Labriola.

Anatel estima que 5G vai custar R$ 35 bilhões no Brasil

Compromissos de cobertura previstos superam os R$ 23 bilhões. Cálculos anda precisam passar pelo crivo do Tribunal de Contas da União.  Anatel também prevê investimentos de mais de R$ 80 bilhões nos próximos 20 anos.

Governo retira exclusividade da Telebras da gestão da rede privada

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, revelou que vai alterar Decreto Presidencial para dar às teles a opção de gerenciar à rede tirarando a exclusividade até então concedida à Telebras.

Vivo assume que rede neutra fará a diferença no 5G

Batizada de FiBrasil, a rede neutra terá papel central na estratégia nacional, afirmou o CEO da Vivo, Cristian Gebara.




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G