Clicky

Oi emite R$ 2,5 bilhões em debêntures da InfraCo

Convergência Digital* ... 19/02/2021 ... Convergência Digital

A Oi anunciou no fim da noite desta quinta-feira,18/02, por meio de fato relevante, a emissão de debêntures conversíveis com garantia real pela Brasil Telecom Comunicação Multimídia S.A. (BTCM). A BTMC é uma subsidiária integral da Oi que foi constituída como a unidade de infraestrutura de fibra do grupo (InfraCo), e está captando até R$ 2,5 bilhões com esta emissão.

A transação, diz a Oi, garante a flexibilidade de capital necessária para prosseguir com o plano de reorganização aprovado por seus credores.Ainda conforme a Oi, "o financiamento apoiará a expansão da rede FTTH (fibra até a residência, na sigla em inglês) da InfraCo e a implantação contínua da maior rede de infraestrutura de fibra óptica do Brasil." Os recursos do financiamento também apoiarão a separação estrutural da Oi e da InfraCo, conforme aprovado no aditamento ao plano de recuperação judicial da Empresa.

A subscrição das debêntures será liderada pela Brookfield, líder global em gestão de ativos alternativos, com participação do fundo global de investimentos Farallon Capital Management e da Prisma Capital. A Brookfield tem aproximadamente US$ 600 bilhões em ativos sob sua gestão em mais de 30 países, incluindo investimentos de longo prazo em infraestrutura, imobiliário, energia renovável, private equity e crédito. A Brookfield está investindo na transação por meio do seu programa de Special Investments.

“Para a Oi, a participação de duas companhias de investimento líderes globais no financiamento da InfraCo demonstra que o mercado reconheceu o enorme potencial do modelo de rede neutra que desenhamos a partir da nossa proposta de separação estrutural. A emissão das debêntures garante significativo capital para os investimentos previstos este ano na InfraCo, dando suporte ao processo contínuo de expansão da fibra traçado em nosso plano estratégico de transformação”, destaca Rodrigo Abreu, CEO da Oi.

“Estamos entusiasmados com a parceria com Rodrigo e a equipe da Oi nesta próxima fase de transformação para torná-la a plataforma de infraestrutura digital dominante no Brasil”, afirma Angelo Rufino, Managing Partner da Brookfield Asset Management. “A Oi está no centro da adoção e da demanda crescente no Brasil por maior intensidade de fibra e esperamos aproveitar a nossa longa história de investimentos em infraestrutura e relacionamentos no Brasil para apoiar esse crescimento”.

“O modelo de rede neutra deve ser transformacional para a competitividade e o desenvolvimento do setor de telecomunicações no Brasil”, disse Daniel Goldberg, Managing Partner da Farallon Latin America. “Estamos financiando a primeira companhia que tornará disponível, em escala, sua infraestrutura para os diferentes players do setor. Acreditamos que esse modelo de negócios é extremamente vantajoso para os stakeholders da Oi e também para o país.  Estamos muito orgulhosos em apoiar a criação da InfraCo”.  

Em paralelo à essa operação de captação, a Oi segue negociando, em regime de exclusividade, a possibilidade de acordo para concessão de direito de preferência (“stalking horse”) na alienação do controle da UPI InfraCo a fundos que apresentaram proposta vinculante para tal, de maneira aderente ao processo competitivo judicial previsto no aditamento ao seu plano de recuperação judicial homologado em outubro de 2020, tal como já comunicado por fatos relevantes divulgados ao mercado recentemente.

*Com informações do fato relevante da Oi


Wi-Fi 6E Brasil 2021 - Cobertura especial - Editora ConvergenciaDigital

Uso da faixa de 6 GHz avança no mundo. 2021 terá dispositivos e celulares Wi-Fi 6E

No Brasil, conselho diretor da  Anatel decide se vai destinar os 1200 MHz da faixa ao uso não licenciado, em movimento semelhante ao que já se deu nos Estados Unidos. Movimento semelhante acontece na Europa e no Oriente Médio.

Veja mais matérias deste especial    •    Inscrição gratuita - Clique aqui

CVM cobra Telebras que anuncia renovação por 10 anos de contrato com Eletrobras

Acordo vale para o uso de fibras óticas e infraestrutura de telecomunicações com a Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A (Eletronorte) e Furnas Centrais Elétricas S/A (Furnas). Estatal teve movimentação atípica de ações.

Minicom: “Queremos o 5G standalone, que é o 5G de verdade, não um 4G plus”

Ao concluir viagem à Europa e Ásia para falar com fabricantes de equipamentos, o ministro das Comunicações, Fabio Faria, avisou que o governo também defende a exigência do release 16 do 3GPP no leilão da quinta geração. 

Claro e Vivo se isolam contra a exigência do 5G pleno

TIM, provedores regionais, pequenos prestadores e operadoras competitivas reforçaram aos parlamentares que 5G pleno não custa mais nem atrasa implementação no Brasil.

Anatel publica regras para fim das concessões de telefonia

Regulamento de Adaptação do STFC traz prazos e procedimentos para Oi, Telefônica, Claro, Algar e Sercomtel decidirem sobre a migração do regime público para privado. 




  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G