Clicky

Home - Convergência Digital

Para Defesa, Brasil deveria adotar regra para diversificar fornecedores no 5G

Por Luis Osvaldo Grossmann* - 24/02/2021

Representantes do Ministério da Defesa, do Gabinete de Segurança Institucional e da Escola Superior de Guerra sustentaram junto à Câmara dos Deputados, por meio do GT do 5G, que o Brasil deveria adotar as regras que obrigam mecanismos para diversificação de fornecedores na implantação da quinta geração no país. Nominalmente, a Instrução Normativa 4 do GSI, específica sobre segurança cibernética em redes 5G. 

“Se nossa rede vier com equipamentos dominados por um único a fornecedor, e caso eles venham com uma bomba lógica de fábrica, que é difícil de ser detectado, esse fabricante poderia dar um comando no país dele e travar todo o nosso 5G. É possível usar ferramentas em diferentes camadas para tratar a confidencialidade. Mas isso não resolve a questão da disponibilidade caso um único fabricante tenha controle sobre a maior parte da rede”, disse o general Ivan de Sousa Correa Filho, comandante de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército. 

Ao participar de audiência do GT 5G da Câmara nesta quarta, 24/2, em nome do Ministério da Defesa, Correa Filho defendeu a exigência de uma rede privada 5G para a administração federal justamente porque sobre ela recai a exigência automática da IN 4 do GSI. “Defendo a existência de uma rede privada. E entendo que não seja só do Estado. Uma fábrica que vai adotar 5G deve ter a rede privada dela também. No nosso caso, a rede privada de 5G ganha um ingrediente a mais que é a possibilidade de aplicação plena da IN 4, que melhora os requisitos de segurança da rede do 5G, mas que vale para administração federal, e não é imposta no edital.”

Como reforçou na reunião o diretor do Departamento de Segurança de Informação do GSI, Marcelo Fontenele, a IN 4 tem 22 requisitos que envolvem disponibilidade, integridade, confidencialidade e autenticidade, o que inclui regras de interoperabilidade de equipamentos e a contratação de pelo menos dois fornecedores distintos. Medidas, segundo Fontenele, “para não se ficar preso a nenhum fabricante. Quanto mais diversidade, o mercado aponta a melhor qualidade também em segurança”. 

Como arrematou o professor da Escola Superior de Guerra Ronaldo Carmona, o controle dos fluxos de informação têm importância geopolítica. Nesse contexto, o Brasil não pode ficar refém de um ou outro pacote tecnológico, enquanto deveria buscar algum nível de desenvolvimento independente. 

“O Brasil é um dos maiores países do mundo e precisamos nos preocupar de forma determinante de que maneira essas inovações introduzem novos riscos para a própria estabilidade do poder nacional e do desenvolvimento brasileiro. Hoje o país depende da compra de um pacote tecnológico de potências estrangeiras devido a nossa incapacidade de desenvolvimento autóctone e precisamos conceber instrumentos que mitiguem possíveis intrusões em sistemas e equipamentos que vierem a ser adquiridos, venham de onde vierem. Temos o desafio de evitar monopólio. Não podemos cair no risco de dependermos de um único fornecedor.”

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/05/2021
Algar avança no B2B; avalia 5G fora da sua área e se prepara para ser 100% fibra ótica

13/05/2021
Um em cada cinco usuários do 5G reduz o uso do Wi-Fi nos ambientes fechados

12/05/2021
Ericsson decide pagar 80 milhões de euros à Nokia para indenizar danos

11/05/2021
TIM e Nokia lançam projeto piloto de 5G Standalone no agronegócio

11/05/2021
Telefonica se alia à Microsoft por 5G privado

10/05/2021
TecBan, Claro e Ericsson levam 5G para caixas eletrônicos

06/05/2021
Para Minicom, 90% das antenas do 5G são isentas de licença

05/05/2021
TIM: 5G ‘puro’ é mais barato e rivais reclamam porque não fizeram VoLTE no 4G

05/05/2021
Huawei:5G exige empresas locais para aplicações e geração de talentos

05/05/2021
Um poço sem fundos no leilão 5G

Destaques
Destaques

América Latina se divide sobre uso de ondas milimétricas

Debate com representantes do México, Colômbia, Costa Rica, El Salvador, Argentina e Brasil mostrou que bandas altas no 5G, como 26 GHz, está longe de unanimidade na região.  Colômbia, que prevê leilão 5G no final do ano, não planeja vender a faixa de 26GHz.

Brasil está fora dos países liberados pela Espanha para o Mobile World Congress

Programado para acontecer de 28 de junho a 01 de julho, o organizador, GSMA, fechou um acerto com as autoridades espanholas para isentar os participantes das restrições impostas às pessoas de fora da União Europeia.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

5G e a expansão da capacidade de inovação

Por Alex Takaoka*

Segurança da informação, interoperabilidade e infraestrutura ocuparão um papel importante na implantação da tecnologia 5G.


Copyright © 2005-2020 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site