Home - Convergência Digital

Marcos Pontes: O Brasil dá muito pouco valor ao ensino técnico

Por Roberta Prescott* - 23/03/2021

Fomentar o ensino técnico para estimular a formação de mais profissionais de tecnologia é a melhor estratégia para reduzir a lacuna existente entre o número de graduados e a necessidade de mão de obra por parte das empresas. Na abertura do Brasscom TecFórum 2021, nesta terça-feira, 23/03, o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes, em conversa com Laércio Cosentino, fundador da TOTVS e presidente do conselho de administração da Brasscom, ressaltou que o Brasil precisa dar mais valor ao ensino técnico.

"Os países que têm melhores resultados em tecnologia são aqueles que dão muito valor ao ensino técnico. Infelizmente no Brasil, essa valorização quase não existe. Nosso número de alunos que terminam com ensino técnico é baixo e o ideal seria que fosse triplicado", destacou, acrescentando que há um projeto em curso para instituir escolas distritais com ensino técnico e cujo currículo seja feito em parceria com as empresas locais. "É um projeto que temos aqui e espero colocar em fase piloto ainda este ano".

Pontes ressaltou que o ministério tem a transformação digital como uma das prioridades, mas que para alcançar os resultados esperados é necessário investir na formação profissional. Ele explicou que o MCTI tem uma secretaria focada em articular e popularizar a promoção de ciência dentro das escolas, incorporando matérias como robótica e realizando diversas olimpíadas. "Precisamos motivar as crianças para as carreiras de ciência e tecnologia para que vejam nestas carreiras uma possibilidade de futuro e algo que lhes dê felicidade", disse. As carreiras atualmente agrupadas na sigla, em inglês, Steam — para ciência, tecnologia, engenharia, artes e matemática — estão no foco de atenção. 

Com relação ao ensino superior, Pontes disse que o ministério tem conversado com as universidades para que incluam cursos para tecnologia do futuro como inteligência artificial, blockchain, IoT, nuvem entre outras. Também assinalou a importância de fomentar, via, por exemplo, Finep e CNPq, ações capazes de fomentar a criação de startups. Ele também defendeu que o setor privado contrate mais mestres e doutores e flertou com a possibilidade de poder haver incentivo fiscal para tal — mas não abriu detalhes. 

Por sua vez, Cosentino aproveitou o bate-papo para destacar que a Brasscom trabalha para Brasil mais digital e disse que a base de sustentação do setor está na tributação, emprego e competitividade. "Hoje, existe um déficit enorme de pessoas qualificadas para assumir posições importantes", assentiu. Cosentino concordou com a importância de incentivar a descoberta da ciência na escola e com a necessidade do ensino técnico.

"A universidade é fundamental, mas os cursos técnicos formam a base para a pirâmide ascender. Renovar os currículos acadêmicos também é fundamental", apontou. "A Brasscom defende que não podemos tributar o emprego", em uma defesa para a perenização da desoneração da folha, que encerra validade no dia 31 de dezembro deste ano e que não agrada ao ministério da Economia.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

25/03/2021
Competitividade: o mantra do Brasil no jogo da economia digital

24/03/2021
BID: é urgente reduzir a desigualdade no acesso à tecnologia na América Latina

24/03/2021
Transformação digital: um movimento com vencedores e perdedores

24/03/2021
Cursos técnicos integrados respondem por apenas 8% dos alunos matriculados no ensino médio

24/03/2021
5G é a política pública para acabar com o gap digital no Brasil

24/03/2021
Reforma tributária fatiada mantém status quo e destrói economia

23/03/2021
Transformação digital: Atenção do governo ao risco de digitalizar a burocracia

23/03/2021
Depois da Senacon, ANPD prepara acordos com GSI e Polícia Federal

23/03/2021
Governo destinou quase R$ 100 milhões para projetos de cidades inteligentes

23/03/2021
TIC incorporou 59 mil novos profissionais e gerou 1,62 milhão de empregos em 2020

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Muito além do modismo. Muito prazer, Python!

Por Guilherme Lima*

Além de aumentar a produtividade do desenvolvedor, muitas vezes, a linguagem Python vai além de linguagens compiladas ou estaticamente tipadas, como C, C ++ e Java. É importante lembrar que o código Python tem, normalmente, de um terço a um quinto do tamanho do código C ++ ou Java, por exemplo. Isso significa que há menos para digitar, depurar e menos para manter após o fato.

Destaques
Destaques

TIC incorporou 59 mil novos profissionais e gerou 1,62 milhão de empregos em 2020

Apesar da adversidade econômica e social com a Covid-19, TIC manteve a empregabilidade em alta. "Respondemos à desoneração da folha de pagamentos cumprindo o que nos cabia. Gerar empregos", afirmou o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.

Marcos Pontes: O Brasil dá muito pouco valor ao ensino técnico

Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação advertiu que no Brasil esse apoio está muito aquém do desejado. Marcos Pontes também defendeu a concessão de incentivo para a contratação de mestres e doutores pelas empresas privadas.

Receita Federal: Saiba como declarar jornada reduzida no Imposto de Renda

A maior parte dos funcionários do setor de TICs foi incluído no Benefício Emergencial de Preservação de Emprego e da Renda (BEm) em 2020 como medida para aliviar o impacto econômico da Covid-19. Fisco orienta como acertar as contas.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site