Clicky

INTERNET

ConTIC indica Natasha Nunes para Conselho Nacional de Proteção de Dados e da Privacidade

Convergência Digital ... 23/03/2021 ... Convergência Digital

Atenta à regulamentação da LGPD e do importante papel do Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade (CNPDP) para trazer ao debate as contribuições do setor privado, a Confederação Nacional da Tecnologia da Informação e Comunicação (ConTIC) indicou e trabalha para recomendar a advogada, Natasha Gil Nunes, diretora jurídica da Conexis Brasil Digital, para representar o setor no cargo de conselheira na entidade.  

A vaga é destinada às Confederações Sindicais representativas das categorias econômicas do setor produtivo. A posição ganha relevância neste momento com a chegada do 5G e com as discussões ao redor da LGPD e segurança de rede. Hoje, a indicação já tem o apoio de dezesseis entidades: ConTIC, Febratel, Fenainfo, Feninfra, Conexis, Abrintel, Aneaa, Telebrasil, Brasscom, Telcomp, Abrint, Abdib, Abta, Associação Neo, Sindisat e Abrasat. 

Na composição deste Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, a participação de entidades representativas do setor de Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) é de fundamental importância para o desenvolvimento de um sistema nacional de proteção de dados que, ao mesmo tempo, garanta a proteção dos dados dos cidadãos, em perfeita harmonia com o desenvolvimento econômico e social sustentável.

O setor é responsável por toda infraestrutura onde trafegam os dados e pelas informações de milhares de clientes, alcançando diretamente milhões de brasileiros em todo território nacional. Por isso, a ConTIC - confederação que congrega mais de 70 mil empresas - destaca a relevância de uma conselheira que de fato representa o segmento de TICs estar em uma das vagas destinadas às confederações.

“TICs têm papel fundamental no CNPDP por ser transversal a todos os outros ao fornecermos a infraestrutura por onde estes dados trafegam”, disse Natasha. Para ela, a experiência do setor em autorregulação pode contribuir no debate junto à ANPD. “Podemos trazer boas práticas e contribuir nas discussões quanto à capacidade de os setores se normatizarem ou instituírem normas de forma complementar à regulação do governo, evitando uma carga excessiva de regras”, completou.

Natasha Nunes é advogada e diretora jurídica da Conexis. Tem mestrado em Direito pela UERJ, onde direcionou sua pesquisa à relação entre regulação e novas tecnologias, acompanha o debate do tratamento de dados no setor público e, agora, coordena grupo de discussão da LGPD no setor de TICs.  A indicada conta com ampla experiência no setor público em processos decisórios estratégicos e na coordenação de complexos debates regulatórios e normativos, em diferentes áreas do governo, especialmente com viés econômico. 

 
 


Revista Abranet 33 . jan-mar 2021
Veja a Revista Abranet nº 33
A Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais impõe a contratação de um DPO (Data Protection Officer), profissional que tende a ficar cada vez mais requisitado e valorizado... Veja a revista completa.
Clique aqui para ver outras edições

Oi oferta 1 Giga atenta a demanda dos clientes no FTTH

Operadora terá duas modalidades de oferta: banda larga + VoIP e banda larga+ IPTV. Objetivo é atrair novos consumidores para a base de clientes, revela Bernardo Winik, VP de clientes da Oi.

Fapesp abre chamada estratégica para Internet de R$ 30 milhões

Podem ser apresentadas propostas em temas como software livre, dados abertos e padrões abertos, entre outras.

Idec cobra ANPD, Senacon e Cade por medidas contra mudanças no WhatsApp

Entidade de defesa do consumidor alega que por não permitir consentimento, nova política de privacidade e termos de uso violam LGPD. Novo modelo da OTT está previsto para vigorar a partir do dia 15 de maio.

Internet das Coisas desafia a privacidade e a governança da Internet

A afirmação é da professora da Escola de Comunicação da American University, Laura DeNardis, que participou da Seminário Internacional de Governança da Internet. Especialistas afirmam que confundir governo com governança é um erro grave e ameaça o ecossistema.

Agora é lei. Perseguição na Internet pode levar a até dois anos de prisão

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei que inclui no Código Penal a modalidade do crime de 'stalking1, prática de perseguição de pessoas na Internet. Penalidade pode ser acrescida em 50% se o crime for direcionado a mulhres e as crianças.



  • Copyright © 2005-2021 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G